Conteúdo por Gazeta Esportiva

‘Esquecido’ no Palmeiras, Borja pode custar mais R$ 11 mi e jogar clássico

Pouco utilizado pelo técnico Luiz Felipe Scolari, o atacante Miguel Borja pode se tornar um jogador ainda mais caro para o Palmeiras. É que uma cláusula em seu contrato prevê o pagamento de mais 3 milhões de dólares (R$ 11,2 milhões, na cotação atual) ao Atlético Nacional-COL, caso o jogador não seja negociado até o dia 17 de agosto.

A informação foi divulgada inicialmente pela rádio Caracol, da Colômbia. Se Borja for vendido, o clube colombiano receberá 30% do valor, referente ao percentual que detém dos direitos econômicos do jogador.

Em fevereiro de 2017, o Palmeiras pagou 10,5 milhões de dólares (cerca de R$ 34 milhões, na cotação da época) por 70% dos direitos econômicos de Borja. Esta foi a maior contratação da história do clube alviverde.

Diferentemente do status da época, Borja no momento está em baixa no Palmeiras. O atacante não foi relacionado para o amistoso contra o Guarani, na semana passada, nem para o duelo com o Internacional, na última quarta-feira, pela Copa do Brasil.

Borja participou de apenas 14 dos 34 jogos do Palmeiras na temporada. Sua última partida como titular foi contra o Sampaio Corrêa, no dia 30 de maio, pela Copa do Brasil. Na ocasião, ele não foi bem e voltou a ser reserva no compromisso seguinte.

Ainda assim, Felipão não descarta a chance de utilizá-lo no clássico contra o São Paulo, neste sábado, no Morumbi, pelo Campeonato Brasileiro. O treinador avisou que fará pelo menos cinco ou seis trocas na equipe. E Deyverson, que teve atuação criticada pelo técnico, pode ser preservado do Choque-Rei.

“Sobre o Borja, vai estar pronto para o jogo de sábado. São opções que eu faço durante a semana, observando os treinamentos, e a escolha de um jogador ou outro para determinados jogos”, disse Felipão, após a vitória por 1 a 0 sobre o Inter, no Allianz Parque.

Futebol