Fifa define o Catar como sede do Mundial de Clubes nos dois próximos anos

Atualizado

A Fifa definiu nesta segunda-feira (3), após uma reunião de seu Conselho em Paris, que o Catar será a sede das duas próximas edições do Mundial de Clubes. Os torneios serão realizados em dezembro deste ano e no mesmo mês de 2020 e servirão também como teste para a Copa do Mundo de 2022, que será disputado na mesma época do ano (de 21 de novembro a 18 de dezembro).

Mundial de Clubes da FIFA passará a ser disputado por 24 equipes a cada quatro anos a partir de 2021 – (Foto: Reprodução)

“(Mundial de Clubes) Será um grande evento teste. Nós tentaremos utilizar o máximo possível dos equipamentos (estádios) da Copa do Mundo, mostrando diversas facetas de como sediaremos a competição”, disse Hassan Al-Thawadi, chefe do Comitê Organizador da Copa de 2022, nesta segunda-feira, logo após a reunião do Conselho da Fifa.

As duas edições serão disputadas no atual formato, que acontece desde 2005 e tem o Real Madrid como atual tricampeão. Serão os campeões das seis confederações continentais (América do Sul, Europa, América Central e do Norte, Ásia, Oceania e África), mais um representante do país-sede (geralmente o campeão nacional local). Antes do Catar, Japão, Emirados Árabes Unidos e Marrocos receberam o Mundial de Clubes do modo como hoje é disputado.

Para a edição de 2019, Liverpool (Inglaterra, Europa), Esperancé (Tunísia, África), Hienghène Sport (Nova Caledônia, Oceania), Monterrey (México, América Central e do Norte) e Al-Sadd (Catar, país-sede) são os cinco times já garantidos na competição. Faltam os representantes da América do Sul (campeão da Copa Libertadores) e da Ásia (vencedor da Liga dos Campeões).

As duas edições no Catar deverão marcar a despedida do formato atual da competição, que a partir de 2021 poderá passar a ser disputado a cada 4 anos, com 24 clubes. Após mais de um ano de estudos, a Fifa conseguiu em março deste ano aprovar o novo formato de disputa do Mundial de Clubes. Mas a Associação de Clubes da Europa (ECA, na sigla em inglês) se posicionou publicamente contra a nova competição, afirmando que nenhuma de suas 232 equipes pretende participar do torneio.

No caso da América do Sul, para os Mundiais de 2019 e 2020, se classificam os campeões dos respectivos anos – nesta temporada, os clubes brasileiros ainda na disputa são Palmeiras, Flamengo, Cruzeiro, Grêmio, Internacional e Athletico-PR. A partir de 2021, caso vingue a proposta do novo formato da competição, a Conmebol teria direito a seis vagas – os critérios de classificação ainda não estão definidos.

Mais conteúdo sobre

Futebol