Figueirense divulga nota de repúdio contra a confusão no clássico no Scarpelli

Atualizado

O cronômetro marcava 35 minutos do segundo tempo quando o quarto árbitro subiu a placa com os números “8” e “20”. O volante Bruno Silva deixava o campo para ser substituído por Wesley na partida entre Figueirense e Avaí.

Xingado pelos torcedores do Figueirense, quando chegou ao banco de reservas, Bruno olhou para os torcedores do setor A do Orlando Scarpelli – as sociais do clube – e fez o gesto de “2 a 0” com as mãos.

Torcedor é detido por policiais após a invasão de campo – Foto: Eduardo Valente/Framephoto/Estadão Conteúdo/ND

Após o gesto, um torcedor do Figueirense, de camiseta branca, invadiu o gramado e foi em direção ao banco do Avaí para tirar satisfações com o jogador. O goleiro reserva do Leão, Gledson, conteve o torcedor e deu uma espécie de ippon no homem, que caiu no chão.

Leia também:

Após isso, o volante Bruno Silva tentou chutar o torcedor, já caído no chão, mas acabou acertando o próprio companheiro. Uma confusão generalizada teve início, outro torcedor conseguiu invadir o gramado e foi detido pela PM (Polícia Militar).

A confusão se estendeu ao setor C, o chamado tobogã, outros torcedores tentaram invadir o gramado, mas foram contidos por outros torcedores, o que acabou causando brigas nas arquibancadas. A PM interviu e usou spray de pimenta para dispersar a confusão.

Confusão se estendeu a outros setores do estádio – Foto: EDUARDO VALENTE/FRAMEPHOTO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO – Foto: ESTADÃO CONTEÚDO/ND

Houve depredação do estádio, com cadeiras quebradas, além de algumas telas de acrílico, que fazem a divisão entre arquibancada e gramado, quebradas por chutes de torcedores. A partida foi paralisada aos 40 minutos do segundo tempo, sendo cerca de 21 minutos paralisação até a bola voltar a rolar.

Figueirense divulga nota

O Figueirense soltou uma nota oficial sobre a confusão no Scarpelli na partida deste domingo (2). O clube afirma que repudia totalmente as atitudes, que “geram um grande prejuízo ao clube, depredação de patrimônio, além de causar punições no decorrer do campeonato”.

Veja a nota oficial:

O Figueirense Futebol Clube vem a público repudiar com veemência os atos de violência e vandalismo praticados por alguns torcedores – uma minoria, que de forma alguma representam a enorme e apaixonada torcida alvinegra -, no clássico deste domingo (02), contra o Avaí, no Estádio Orlando Scarpelli.

As confusões causadas por esses indivíduos, além de gerar um grande prejuízo ao clube, já que houve depredação do nosso próprio patrimônio, podem causar punições ao time no decorrer do Campeonato Catarinense, como perda do mando de campo e multas.

O Figueirense Futebol Clube trabalha para identificar os infratores – tanto os que causaram prejuízos ao patrimônio do clube quanto os que praticaram atos de violência -, e vai colaborar com as autoridades para quaisquer investigações que se façam necessárias. O clube também vai exigir daqueles que depredaram o estádio que custeie os reparos e prejuízos.

Por fim, o Figueirense também repudia as atitudes do atleta do Avaí, Bruno Silva, totalmente antidesportivas, ao provocar de forma hostil os torcedores alvinegros e, durante a confusão, agredir, de forma covarde, o torcedor do Furacão, que já estava imobilizado e não apresentava mais nenhum risco. A invasão praticada pelo torcedor de maneira alguma se justifica, porém é descabido que um atleta profissional de futebol desfira um golpe covarde em um torcedor que se encontra no chão e desprotegido. A reação desproporcional do jogador avaiano certamente colaborou para que a confusão tomasse proporções ainda maiores.

O Figueirense pede às autoridades que tomem as devidas providências, principalmente no âmbito esportivo, já que atitudes como essa em nada acrescentam ao espetáculo que é o futebol, especialmente em um clássico do tamanho de Figueirense e Avaí.

Mais conteúdo sobre

Futebol