Final da Copa do Mundo de Rúgbi: Nova Zelândia x Austrália

Jogo remete a final da Copa de 70 de futebol entre Brasil e Itália, pois reúne dois titãs deste esporte, All Blacks tem um Drem Team, como a Seleção de Pelé, e quem vencer será o primeiro tri mundial

Divulgação

Neste sábado, o Rúgbi conhecerá o seu primeiro tricampeão mundial. Às 13h45min, no Twickenham Stadium, em Londres, Nova Zelândia e Austrália se enfrentam na final da Copa do Mundo, que está sendo realizada na Inglaterra e no País de Gales. O jogo será transmitido pela ESPN +. O jogo vem despertando muito interesse e a todo o momento está sendo comparado, em importância histórica, ao duelo que decidiu a Copa de futebol de 1970, entre Brasil e Itália, pois além de valer o tri para o vencedor, em campo estarão dois titãs do rúgbi.
Atual campeã e que tem o atual elenco sendo considerado o melhor já formado na história deste esporte, os neo-zelandeses venceram todos os seus seis jogos e ostentam invencibilidade recorde de 13 partidas em Mundiais (ganhou os sete jogos no título de 2011).  Dos seis jogos, quatro foram por goleada, incluindo uma surra de 62 a 13 sobre a França nas quartas de final (seria algo como 8 a 2 no futebol). Apenas a Argentina na estreia  (26 a 16) e a África do Sul na semifinal (20 a 18) conseguiram engrossar para cima dos All Blacks.
Ainda assim este jogo vem sendo colocado por todos como aquele que pode entrar para a história como o mais icônico da Nova Zelândia em todos os tempos. Afinal, cinco dos sete principais jogadores deste elenco provavelmente irão se despedir da seleção, incluindo aí os dois maiores ídolos: Richie McCaw, três vezes melhor do mundo e jogador que mais defendeu uma seleção na história; e  o chutador Dan Carter, duas vezes melhor do mundo e o maior pontuador do esporte, com 1579 em 111 jogos (o vice-líder, o inglês Wilkinson, encerrou a carreira com 1246).

Carter, embora tenha sido destaque do  título dos All Blacks em 2011, fará a sua primeira final, pois se lesionou na semis daquela edição e desfalcou o time no jogo decisivo. Por isso, diz que viverá uma sensação especial.
–  Vivi uma semana de rotina de treinos que não muda, não importa se você está chutando em um amistoso ou na Copa do Mundo. Mas este jogo será diferente.  Vivi das decepções em Copas anteriores com lesões e derrotas. Tenho de me concentrar e ver o que posso fazer não para mim, mas para a equipe.

A Austrália  pode não ser a favorita. Mas está longe de ser considerada uma zebra. Os Wallabies  tiveram dificuldades para vencerem os anfitriões Gales (15 a 6) e nas quartas avançaram no jogo mais dramático da Copa, 35 a 34 sobre a Escócia. Mas, nas semifinais, voltaram a contar com seus três titulares da linha ofensiva e venceram bem a Argentina por 29 a 15.  Vale lembrar que esta linha ofensiva é considerada a melhor do mundo e a defesa australiana é a que possui maior força física, o que pode dificultar a melhor conjunto dos All Blacks, que por sua vez são conhecidos como “quebradores de tackles (levam pancada e conseguem avançar alguns metros a mais).

O treinador australiano Michael Cheika  está muito satisfeito com a volta do atacante Sio, que desfalcou o time contra os argentinos, o que garante força máxima para os wallabies. Por isso, o treinador estava de tão bom humor que até fez uma brincadeira na coletiva. Ele, que nunca chama a Nova Zelândia opelo apelido, finalmente atendeu aos apelos da imprensa.
– Ok, vou chamá-los de All Blacks – disse, para em seguida fazer uma cara como se tivesse sido envenado, arrancando risos.

Ingresso a R$ 360 mil?

Todos os 80 mil ingressos estão esgotados. E olha que os preços variavam de R$ 2.960 a R$ 4.500.  No mercado negro, há gente vendendo um bilhete a R$ 360 mil.

Juiz gay
A partida terá como árbitro principal o galês Nigel Owens, de 44 anos e que é homossexual assumido. Ele, inclusive escreveu uma biografiafalando que pensou em sucídio por causa de sua opção sexual

– Eu estava tão mal que não conseguia mais lidar com a situação (esconder que era gay). Eu pensei que só teria uma maneira de resolver as coisas e tentei fazer uma idiotice. Eu acordei cedo naquele dia, deixei a casa e um bilhete aos meus pais. Andei por muito tempo. Apaguei tentando ter uma overdose – disse Owens, que chegou a ficar internado por cinco dias para se recuperar. Ele será o sétimo árbitro gay a aparecer numa decisão de rúgbi.

Freguesia

Este é o confronto mais tradicional e o que mais vezes já ocorreu na história do Rúgbi. São 154 partidas e o massacre é da Nova Zelândia: 105 a 42. Mas em 2015 o duelo está 1 a 1. No dia 8/8, Austrália 27 a 19. No dia 15/8, All Blacks 41 a 13.

Recordes podem ser quebrados

Considerado por unanimidade o maior jogador da história do Rúgbi, o neo-zelandês Jonah Lomu detém dois recordes. É quem mais tries (gols) marcou na histíoria dos Mundiais, com 15. E quem mais tries marcou em uma única Copa (oito, em 1999). Só que o australiano Drew Mitchell já marcou 14 tries na história das Copas e espera empatar ou assumir a ponta. Savea, por sua vez, já tem oito tries. Se marcar algum para os zelandeses, ultrapassará Lomu.

Campanhas

Nova Zelândia
Fase de Grupos
26 x 16 -Argentina58 x 14 -Namíbia43 x 10 -Geórgia47 x 9 -TongaQuartas
62 x 13 FrançaSemifinais
20 x 18 África do Sul
Austrália
Fase de Grupos
28 x 13 – Fiji65 x 3 Uruguai33 x 13 Inglaterra15 x 6 País de GalesQuartas
35 x 34 – EscóciaSemifinais
29 x 15 Argentina
NOVA ZELÂNDIA X AUSTRÁLIA

Final da Copa do Mundo de Rúgbi
Data: 31/10/2015
Local: Twickenham Stadium, Londres (ING)

Nova Zelândia:  Savea, Milner-Skudder e Ben Smith; Read, Aaron Smith, Dan Carter, Ma’Nonu e Smith; Retallick, Whitelock, Caino e McCaw Moody, Coles e Franks . Técnico: Steve Hansen

Austrália: Drew Mitchel, Folau e Ashley Cooper; Pocock, Genia, Foley, Giteau e Kuridrani; Fardy, Douglas, Simmons e Hooper. Sio, Moore e Kepu Técnico: Michael Cheika

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Esportes

Loading...