“Fui muito feliz jogando aqui no Scarpelli”, afirma Edmundo, de volta ao Figueirense

O ex-atacante Edmundo está em Florianópolis nesta quinta-feira (4) para uma série de compromissos com o Figueirense, clube que defendeu em 2005 e marcou 15 gols (de forma oficial, mas 18 no total). Pela manhã, ele participou como garoto-propaganda das gravações da nova campanha de sócio-torcedor do Furacão. Foi entre uma filmagem e outra que ele atendeu, com exclusividade, a equipe do Grupo RIC.

Antes das gravações, Edmundo recebeu uma camisa do clube de presente da gestora de negócios do Figueirense, Julia Pacheco – Diogo Maçaneiro/ND

Contratado quando já tinha decidido encerrar a carreira, o ano de 2005 foi especial para o Animal. Ele puxou o time do Figueira na luta contra o rebaixamento naquele ano e terminou a temporada com 15 gols marcados de forma oficial.

Seriam 18 se aquela temporada não tivesse ficado marcada pelos escândalos de arbitragem envolvendo Edilson Pereria de Carvalho, que ficaram conhecidos como Máfia do Apito. Uma das partidas anuladas suspeitas de fraude foi justamente a goleada por 4 a 1 sobre o Juventude, com direito a três gols de Edmundo.

“Faz falta, são exatos três gols que me separam do Roberto [Dinamite], Romário e eu como os maiores artilheiros do futebol brasileiro. É triste, pela forma como a coisa veio à tona… manipulação de resultados”, lamentou o jogador, que se recusa a pronunciar o nome do pivô de toda essa vergonha nacional.

“A gente torce para que as pessoas sejam mais legais, mais do bem e ele foi devidamente punido e o Figueirense não foi tão prejudicado assim, mas é chato. A gente foi educado para ter bons comportamentos e aquela ocasião do árbitro, que eu não gosto nem de dizer o nome, não foi um bom comportamento”.

O tempo ajudou e o retorno do Edmundo ao gramado onde deu tanta alegria ao Figueirense foi ensolarado para as gravações. A missão dada pelo presidente Claudio Honigman é de ter no ídolo um elo entre time e torcida para uma sinergia rumo ao retorno à Série A. Muito descontraído, o atual comentarista da Fox Sports falou com alegria sobre esse reencontro com a torcida alvinegra.

Confira a entrevista completa com o Edmundo:

Campanha de sócio-torcedor

O presidente me convidou para estar mais presente aqui com o Figueirense, pelo momento… muito tempo sem voltar à Primeira Divisão, ainda não está no G4 da Série B, está apenas a dois pontos, em oitavo lugar… e ele me pediu para estar mais próximo, para criar uma harmonia maior entre clube e torcida e eu aceitei o convite. Acho que faço parte dessa história bonita do clube. Foi aqui a minha ressurreição no futebol. eu já tinha decidido parar. Sou muito querido aqui, por todos os moradores da Ilha, do Estreito, onde eu vivi muita coisa boa. Eu me sinto lisonjeado. Já se passaram 14 anos da minha passagem e as pessoas ainda têm uma memória viva do que eu vivi aqui, daquele time maravilhoso que o Figueirense tinha. Criar uma sintonia positiva para que os bons ventos do Figueirense possam retornar. 

Figueirense de 2005

Fui muito feliz jogando aqui no Scarpelli, com essa torcida alvinegra maravilhosa, então voltar aqui, num dia especial como hoje, na final dessa Recopa. Estou muito feliz, estou em casa e tomara que tudo corra bem e o Figueirense seja campeão. Chegando a cidade, as pessoas ainda lembrando daquele ano, que foi fantástico. Acho que se aquele time tivesse idade e fôlego para jogar hoje, disputaria o título do Campeonato Brasileiro. Nós tínhamos um excelente time, um excelente sistema defensivo, meio-campo sensacional… jogadores que depois foram disputar Copa do Mundo, como o Michel Bastos. Um time que deixa saudades. Infelizmente só brigou para fugir do rebaixamento. Acho que a diretoria demorou para encontrar o técnico ideal que era o Adilson [Batista], que deu padrão de jogo, me deu liberdade para eu encontrar o meu melhor lugar no campo para eu dar ao melhor ao time e os gols começaram a sair, jogos muito bons, claro que a gente tem saudades de momentos positivos e aquela minha passagem em 2005 foi sensacional. Eu já tinha 35 anos, precisava de alguns cuidados, mas me machuquei muito pouco e consegui corresponder à expectativa da diretoria, dos torcedores e da cidade.

O extra-campo em Floripa

Passei bastante, fui muito bem recebido. A cidade tem ótimos restaurantes, bares, boates (risos), é… eu aproveitei bastante. Joguei e aproveitei bastante.

O Animal

Cara, eu sempre fui um cara bem tranquilo fora do campo, mas dentro do campo eu sempre fui muito aguerrido, disputava palmo a palmo como se fosse um prato de comida e de fato era, pois era a pois era a possibilidade de tirar a minha família de uma situação difícil. Mas o animal não foi nem por isso.Foi por uma infelicidade. O Osmar Santos elegia o melhor em campo como o “animal do jogo”, e eu fui eleito algumas vezes seguidas eleito o melhor em campo e depois ele teve um acidente de carro e acabou atrapalhando a sua carreira e o apelido acabou se perpetuando em mim. em alguns momentos de forma muito positiva, em outros de forma negativa. Mas faz parte, em algum momento da vida o jogador brasileiro acaba ganhando um rótulo positivo ou negativo e a gente tem que conviver e procurar ser melhor a cada dia.

Torcedor ilustre

Estarei aqui [na partida contra o Brusque, pela Recopa, nesta quinta], a convite do convite do Claudio [Honigman], e torcendo para que o Figueirense conquiste esse título e embale de vez sob o comando do técnico Hemerson [Maria] para retornar à Primeira Divisão, de onde não deveria ter saído.

Atual time do Figueirense

Um time jovem ainda, precisava de ajustes. Essa parada da Copa América pode ter atrapalhado um pouco por causa do momento que vivia o time, mas está a dois pontos do G4, então tranquilamente o Figueirense vai atingir os seus objetivos.

Futebol de Santa Catarina

Um futebol muito rico de valores, que já chegou a ter quatro times na Primeira Divisão. Hoje são dois, mas brevemente teremos o terceiro, que será o Figueirense. Um estado que ama, que respira futebol, às vezes o investimento não é o adequado e a concorrência é muito forte, mas eu tenho certeza que o futebol de Santa Catarina vai voltar aos tempos áureos. 

Floripa na Série A

Essa cidade merece ter as duas equipes na Série A. Eu espero e o Avaí possam estar de volta junto na Primeira Divisão.

Seleção Brasileira na Copa América

Foram cinco jogos até aqui nessa Copa América, com altos e baixos. Com momentos bons quando os times jogavam de igual para igual, como foi contra a Argentina e contra o próprio Peru, e momentos ruins contra o Paraguai, contra a Venezuela, em que o Brasil encontrou dificuldade para transpor aquelas linhas de quatro defensivas. O espírito, o astral positivo voltou. O futebol é muito disso, de inspiração, de transpiração… então eu acho que o Brasil vai vencer o peru e vai ser campeão em casa. Só precisava de energia positiva e acho que o Maracanã vai trazer isso aos jogadores.

Neymar

Ele sempre faz falta. Ele seria titular em todas as outras seleções do mundo. Mas acho que o Brasil precisava também de um pouco de autonomia, de saber que pode… que há vida sem o Neymar. Que tem jogadores que podem ser decisivos. Eu diria que são males que vieram para o bem. Acho que quando ele voltar, vai encontrar uma seleção mais forte, mais encorpada, e junto com o talento dele o Brasil vai chegar forte para 2022.

Mais conteúdo sobre

Futebol