Governo uruguaio volta atrás e policiais farão segurança nos estádios

Presidente José Mujica condicionou a volta dos policiais à votação de novo código disciplinar. Proibição detonou crise que causou a renúncia presidente da AUF

Divulgação

Após uma reunião envolvendo o presidente do Uruguai, José Mujica, com 12 presidentes de clubes da Primeira Divisão e um representante da Segundona, ficou decidido que o governo irá voltar atrás em sua decisão de impedir a presença de policiais nos estádios Parque Central e Centenário. Em troca, os clubes deverão se comprometer a votar o novo código disciplinar do futebol uruguaio.

A decisão presidencial agrada à Mutual Uruguaia, entidade que representa os jogadores. Com isso, a rodada do próximo fim de semana do Torneio Clausura será disputada normalmente.

A proibição da presença de policiais dentro dos estádios causou o adiamento do jogo entre Peñarol e Miramar Misiones, no último domingo. O fato foi a gota d’água que causou a renúncia do presidente da Associação Uruguaia de Futebol (AUF), Sebastián Bauzá, na última segunda-feira.

O novo código disciplinar, a ser votado pelos dirigentes uruguaios, prevê a perda de pontos dos clubes cujos torcedores estejam envolvidos em incidentes violentos nos jogos de futebol.

Clubes se reunirão por novo Comitê Executivo

Os representantes dos clubes uruguaios irão se reunir ainda nesta quarta-feira para formar um novo Comitê Executivo. O favorito para ocupar o cargo de presidente, deixado por Bauzá, é Oscar Curuchet, atual presidente do Danubio.

Este Comitê Executivo será provisório até a convocação de novas eleições para depois da Copa do Mundo. A previsão é que a nova diretoria da AUF assuma nesta quinta-feira.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Esportes

Loading...