Hemerson Maria aguarda pelo departamento jurídico do Figueirense para contar com reforços

Atualizado

Hemerson Maria, técnico do Figueirense – Anderson Coelho/ND

O técnico Hemerson Maria aguarda a liberação dos jogadores contratados que ainda não foram regularizados junto ao BID (Boletim Informativo Diário) da CBF. O meia Andrigo, anunciado e apresentado nessa semana e Héliton, o zagueiro, anunciado há mais de um mês no bairro do Estreito, não tiveram seus nomes publicados no boletim da entidade e, dessa maneira, ainda estão inaptos. A expectativa do técnico, no entanto, é que até a próxima semana os dois tenham suas situações normalizadas.

Leia mais

Já são 31 dias desde a apresentação do zagueiro Héliton, 23, buscado no Santo André-SP, campeão da Série A2 do Paulista. Até a publicação desta matéria, o zagueiro não tivera seu nome liberado nem junto a federação de São Paulo. Maria, por outro lado, aguarda esse momento.

Andrigo, por outro lado, até teve sua recisão com o Vitória-BA confirmada. O vínculo com o Furacão, no entanto, ainda não foi oficializado junto ao BID.

“Acredito que até o jogo de quinta-feira [contra o Brusque] devam ser resolvidas as situações deles. Andrigo acredito que não vá demorar e o Héliton tem uma questão burocrática que está pegando, mas a gente vem conversando com ele e acredito que nosso departamento jurídico vá resolver esse problema e colocar o zagueiro em condição de jogo”, acrescentou o comandante.

Yuri Mamute contratado por três meses

O técnico Hemerson Maria falou sobre o atacante Yuri Mamute, vinculado ao Grêmio, que foi emprestado ao Figueirense. O comandante revelou, entretanto, que os repórteres “não irão ver o jogador trabalhando com bola” já que, por um projeto de metas físicas, o atleta deve realizar um trabalho em separado.

Maria relembrou sua passagem e sua experiência com o centroavante Jael que, em 2014, chegou ao Joinville pesando mais de três dígitos. O treinador elogiou a atual condição de Jael e usou o exemplo do atleta, tricampeão da Libertadores pelo Grêmio, com lembrança para “jamais dar um jogador como terminado”.

“Eu trabalhei no Joinville com o Jael, quando ele chegou, chegou com 116 kg e vocês viram o Jael no Grêmio. Foi feito um trabalho de recuperação física nele e depois o lançamos onde ele foi artilheiro da Série B. As vezes é importante pegar atletas que estão em baixa, o Mamute tem um histórico de seleção de base, de Grêmio, de Botafogo. É um jogador que não desaprendeu a jogar”, exemplificou Maria.

Yuri Mamute, 24, vai ter um trabalho de pequenas metas para, se vencê-las, contribuir no campeonato brasileiro da Série B.

Futebol