Conteúdo por Gazeta Esportiva

Jornal argentino volta a reclamar do VAR e ironiza: “E contra o Brasil?”

Atualizado

O árbitro assistente de vídeo, mais conhecido como VAR, continua gerando revolta na imprensa e na seleção argentinas. A principal polêmica deste sábado foi a expulsão de Lionel Messi na vitória por 2 a 1 sobre o Chile, na Arena Corinthians, pela disputa do terceiro lugar da Copa América.

A bronca recai sobre o juiz de campo, o paraguaio Mario Díaz de Vivar, e o árbitro de vídeo, o peruano Diego Haro. Messi e Gary Medel foram expulsos aos 36 minutos do primeiro tempo, após se desentenderem depois de uma disputa de bola na linha de fundo.

A reclamação dos argentinos é que Díaz de Vivar não checou o lance no vídeo. Na visão deles, apenas o chileno deveria ter sido expulso, já que deu três peitadas em Messi, que, por sua vez, reagiu calmamente e não devolveu os golpes.

Jogadores e imprensa argentinos já haviam reclamado do VAR após a derrota por 2 a 0 para o Brasil, na última terça-feira, no Mineirão, pelas semifinais. Eles queriam um pênalti em Kum Aguero no lance que originou o segundo gol do time canarinho.

“É estranho, porque na última partida não revisaram em nenhum momento. Mas não sei o que pensar. Seguimos lutando contra todos, mas temos que mentalizar em nós e seguir batalhando”, disse o zagueiro Nicolás Otamendi.

“É difícil entender o VAR. É injusto. Já aconteceu, não se pode fazer nada. Hoje [sábado] era uma partida para ganhar e terminar bem a Copa América”, declarou o goleiro Franco Armani, em entrevista ao canal TyC Sports.

Já o diário esportivo Olé foi mais incisivo. Além de questionar a decisão do árbitro ao expulsar Messi, o jornal questiona a utilização do VAR no pênalti de Lo Celso em Charles Aránguiz. A manchete na capa do site ironiza: “Agora sim aparece o VAR”.

“O árbitro de vídeo, a cargo do peruano Diego Haro, apareceu pela primeira vez no encontro entre argentinos e chilenos para que Díaz de Vivar revisasse um suposto pênalti sobre Aránguiz. Por que não interveio em outras polêmicas? E na semi contra o Brasil?”, questiona o Olé na matéria.

Copa América