Jovem de 14 anos acumula medalhas e se torna a maior promessa do jiu-jítsu do Estado

O esporte dispensa apresentação. São incontáveis os benefícios e os níveis de qualidade de vida a serem alcançados por quem o pratica. Mas mais que isso, a capacidade de libertar, de salvar e mover a galáxia, tudo isso sem ver cor, raça, classe social ou naturalidade. É com essa esperança que brilha o olhar de Daniele Mendes Vidal de Eouriques, 14 anos, manezinha nascida e criada no Morro do Horário, promessa do jiu-jítsu brasileiro que vê na modalidade a chance de realizar seu grande sonho: “Ser uma grande lutadora”.

Daniele em treino com Jacson Botelho, sob o olhar de Nazareno Malegarie - Flávio Tin/ND
Daniele em treino com Jacson Botelho, sob o olhar de Nazareno Malegarie – Flávio Tin/ND

São 19 medalhas orgulhosamente apresentadas pela atleta. Entre suas conquistas está o campeonato Catarinense e, o xodó, o título de campeã do Jiu Jitsu Champrionship, competição organizada nos Emirados Árabes Unidos e considerada a principal da modalidade – na qual Daniele vai voltar para defender o título do ano passado. Tamanho acervo contrasta com o jeito tímido e de raríssimas palavras de Daniele. Mas se engana quem acha que isso é um problema.

“Esse silêncio dela é o trunfo de um atleta. Ela não se move, não sorri, não manifesta nenhuma sensação, isso, para um lutador, é o grande segredo”, explicou Jacson Botelho, um dos seus tutores e responsável pelo projeto denominado Lutar Para Vencer, implantado no Morro do Horácio desde 2013.

Além do desafio de lidar com as nuances presentes em uma comunidade conflagrada pelo tráfico de drogas, Daniele busca apoio e patrocínio para que esse sonho seja realizado. Enquanto esse aporte não chega, ela treina de segunda a sábado junto ao projeto, na comunidade e em uma academia no centro de Florianópolis. “Ela é a única menina que treina conosco, além do projeto, ela treina na academia Ataque Duplo e está bem cercada com pessoas que dão essa estrutura de lutar para ela”, acrescentou Jacson.

Caçula de seis irmãos, Daniele vem de origem humilde e traz uma força que nem sua própria mãe, Ivanilda Mendes de Eouriques, 46, sabe descrever: “Ninguém seguiu nem fez essa carreira na família, não sei de onde vem essa força. Ela é uma menina muito boa, muito disciplinada. Eu faço e vou fazer qualquer coisa para ajudar ela e gostaria que se alguém pudesse ajudar ela a realizar esse sonho”, convocou a matriarca que é auxiliar de cozinha.

Daniele de Eouriques, 14 anos, promessa do jiu-jítsu - Flávio Tin/ND
Daniele de Eouriques, 14 anos, promessa do jiu-jítsu – Flávio Tin/ND

No próximo dia 27 Daniele participa da primeira etapa da Copa Desterro de Jiu-Jítsu competição que ela entra para defender o título já que é a atual campeã. Outra oportunidade de acompanhar a promessa do esporte pode ser nos Joguinhos Abertos de Santa Catarina. Com a inclusão da modalidade no calendário dos jogos ainda em 2018, Daniele poderá representar a capital do Estado no segundo semestre desse ano.

Fã da brasileira-estadunidense Cristiane Justino, a Cris Cyborg, Daniele diz que não tem interesse em lutar MMA. Jacson, no entanto, lembra que trata-se de um caminho natural, mas apenas para o futuro. “Apesar de ser grande, ela não tem necessidade de se expor a essa carga de treino e de violência. Ela precisa focar no jiu-jítsu para chegar com 18 anos em nível profissional. Os grandes lutadores do mundo, que já fizeram e fazem sucesso no UFC, saíram do jiu-jítsu. Mas as coisas precisam ser um pouco devagar”, explicou Jacson.

Daniele, além de ser o orgulho da família, também se apresenta como o modelo a ser seguido no projeto Lutar Para Vencer. As crianças já a “idolatram” por ser a grande referência e ter nascido ali, com o projeto. “Faço ela lembrar o que ela representa e de onde ela vem. Ela representa as crianças do projeto que já olham para ela com respeito e com medo”, acrescentou o idealizador do projeto.

Mais conteúdo sobre

Mais Esportes