Justiça do Trabalho sugere e Figueirense reúne-se com credores para unificar dívidas

Atualizado

Estádio Orlando Scarpelli – Diogo Maçaneiro/ND

Foi realizada nesta sexta-feira (7), na sede da Justiça do Trabalho, uma assembleia entre o Figueirense e 46 credores para que seja criada uma espécie de “condomínio” de pagamentos. São valores originados em execuções trabalhistas acumuladas nos últimos anos pelo clube. As partes, no entanto, não entraram em um acordo.

O encontro foi mediado e idealizado pelo juiz do trabalho Marcel Higuchi, coordenador do Núcleo Permanente de Conciliação do Tribunal Regional do Trabalho, da 12ª região (TRT-SC). Ainda de acordo com o material disponibilizado pela Justiça do Trabalho, a negociação começou em maio e pode ser concluída até a primeira semana de julho.

Propostas

A empresa Elephant, principal acionista e gestora do departamento de futebol propôs um acordo no qual toda a renda do programa de sócios-torcedores, cerca de R$120 mil por mês, será destinada para quitar execuções trabalhistas. A partir de janeiro essa parcela seria progressivamente aumentada até R$165 mil, no mês de março de 2020.

A ideia, no entanto, não agradou os credores que sugeriram uma contraproposta: o comprometimento do clube em destinar 25% da sua renda – incluindo venda de jogadores e de imóveis – para o pagamento das dívidas, ficando com 75% da receita para gerir o futebol.

O Figueirense tem 15 dias para se manifestar sobre a proposta. Por enquanto não há data para um novo encontro.

O que diz o clube

Em contato com a assessoria de comunicação, o Figueirense admite uma busca pelo “equacionamento” das pendências acumuladas nos últimos anos, entre elas, as dívidas trabalhistas. Todo esse remanejamento é destacado como “histórico” pela atual gestão e prevê um “novo passo na reestruturação do Alvinegro”.

Segue a nota emitida, na íntegra:

O Figueirense está promovendo o equacionamento de suas dívidas, que foram acumuladas por décadas. Um dos pontos executados é o acordo trabalhista.

As tratativas, via TRT-SC, estão ocorrendo dentro dos trâmites jurídicos necessários para alcançar um denominador adequado e viável.

Em breve, o procedimento – inédito na história do clube – será finalizado pela atual gestão e, assim, garantirá um novo passo na reestruturação do Alvinegro.

Futebol