Conteúdo por Gazeta Esportiva

Lucas coloca retorno ao São Paulo nos planos e revela desejo de ser treinado por Ceni

Com o calendário do futebol mundial parado por conta da pandemia da Covid-19, o atacante Lucas Moura realizou uma transmissão nas redes sociais que deixou os torcedores do São Paulo animados nesta quarta-feira. Cria de Cotia, o jogador falou sobre os planos de sua carreira, e colocou o retorno ao Tricolor no radar.

“Tenho o São Paulo nos meus planos, sempre falei isso. Quando cheguei aqui na Europa eu tinha uma meta de ficar aqui pelo menos 10 anos. Já se completaram sete anos e teoricamente faltam mais 3. Mas a gente nunca sabe o que pode acontecer, tenho contrato até 2023, com opção de renovar mais um ano. Mas sinto muita vontade de voltar, vestir a camisa do São Paulo, é o meu clube de coração. Mas é difícil falar quando. Pode ser daqui três ou cinco anos, ou pode ser daqui um ano. Não dá para cravar uma data”, falou.

E o torcedor são-paulino pode ficar ainda mais animado. Isso porque, perguntado se ele atuaria em outro clube brasileiro, Lucas reiterou a sua paixão pelo clube que o revelou.

“No Brasil é difícil pensar em jogar em outro lugar sem ser o São Paulo. Não sei se conseguiria. Minha cabeça é totalmente voltada para o São Paulo. É o clube que me formou, onde passei 4 anos na base, foi um período fantástico da minha vida. Jogar no Morumbi lotado, conquistar um título, ver a torcida subir uma bandeira minha. É um amor muito grande que eu sinto pelo São Paulo”, declarou.

Revelado pelo São Paulo, Lucas foi a grande joia do Morumbi entre 2010 e 2012, quando se despediu do clube. Em sua última partida, pela final da Copa Sul-Americana, o atacante marcou gol na final e ainda recebeu de Rogério Ceni a oportunidade de levantar a taça.

Lucas construiu boa relação com o grande ídolo tricolor no período em que jogaram juntos. Ainda na transmissão desta quarta-feira, o jogador revelou como seria voltar a trabalhar com o agora treinador Rogério Ceni.

“Seria uma honra, um grande prazer ser treinado por ele. Primeiro pela capacidade, pela inteligência, que eu sei que ele tem. Tive o prazer de jogar com ele e foi uma grande honra pra mim. Merece tudo o que conquistou. Segundo por ser um amigo meu, que eu admiro muito. Quem sabe um dia”, finalizou.

Futebol