Luciano Hang aguarda garantias e estima erguer a Arena Havan em intervalo de seis meses

Atualizado

Seis meses. Esse é o prazo estimado pelo empresário Luciano Hang para que a Arena Havan seja devidamente erguida. O local foi demarcado e liberado pela prefeitura de Brusque e já há um contrato em vigor para que a estrutura seja construída a partir de um projeto que prevê um estádio com capacidade para 15 mil pessoas, com estacionamento, um centro de treinamento com dois campos e fácil acesso para a região do Vale do Itajaí.

Leia mais

A Arena Havan não chega a ser uma novidade. A prefeitura já delimitou e repassou o terreno ao Brusque Futebol Clube. A instituição, fundada em 1987, e que está em campanha histórica rumo ao título da Série D, já cedeu o espaço para que a Havan construa o estádio que se prevê como o mais moderno de Santa Catarina.

Arena Havan deve comportar 15 mil pessoas em espaço para estacionamento – ND/reprodução

O brusquense e proprietário da rede de lojas falou sobre a importância da construção de uma estrutura que projete o clube para frente. Hang, por outro lado, falou sobre as bilionárias construções realizadas em cidades que “nem têm futebol” e usou como um alerta para a maneira como o clube deve proceder nesse período.

“Aqui, ao invés de privilegiarem o jogo, privilegiaram estádios. Fizemos estádios bilionários para Copa do Mundo, gastaram dinheiro em cidades que nem têm futebol. Primeiro é preciso trabalhar o futebol e a organização, o estádio é secundário”, observou.

Nem por isso Luciano Hang desacreditou o projeto que deverá ser posto em prática. Algumas ponderações foram feitas, no entanto. Confira o vídeo.

Município já fez sua parte

A reportagem do ND+ esteve em Brusque e acessou o projeto que já foi devidamente acatado. Conforme o DGI (Departamento Geral de Infraestrutura) do município, trata-se de um complexo de eventos denominado Chico Wehnuth.

Com uma área total de 485.667m², o município chamou entidades interessadas a partir de um processo licitatório e disponibilizou uma série de espaços para as mais diversas atividades formando uma espécie de “condomínio”.

Complexo Chico Wehmuth, em Brusque; A letra “A” é o espaço destinado a Arena Havan – Diogo de Souza/ND

A concessão do uso do terreno é feito para 20 anos prorrogáveis por mais 20. Os interessados tiveram que comprovar a atividade, a necessidade do espaço e a assiduidade com que esta atividade deverá ser realizada.

O Brusque, amparado pelo caixa da Havan, postulou-se e angariou um terreno com 76.353 m². O repasse está fechado e os contratos estão assinados. Clube e empresa, inclusive, têm o prazo máximo de dois anos para dar a devida utilidade. Caso o prazo não seja cumprido o espaço automaticamente volta para o domínio do município.

“O local já está todo aterrado, está pronto, já assinamos esse convênio com o Brusque Futebol Clube por 20 anos podendo ser prorrogado por mais 20 pra que eles possam construir o estádio e o CT”, explicou Ari Vequi, vice-prefeito de Brusque.

O poder público ressaltou que, no caso do novo estádio, uma das grandes vantagens está na localização. Fácil acesso para os moradores – cerca de 5km do centro da cidade – e rota de passagem das cidades da região.

“Está muito próximo de Gaspar e Itajaí, por exemplo, que são as duas cidades maiores que temos na região”, acrescentou o vice-prefeito.

Sem estádio novo e possivelmente sem estádio velho

Como a reportagem do ND+ adiantou, ainda no último sábado (3), o Brusque corre o risco de ficar “sem casa” para a temporada 2020. Sem a Arena Havan que ainda depende de alguns acertos entre clube e empresa, o estádio Augusto Bauer, o grande alçapão do Brusque na temporada – e nos últimos anos – requer diversas melhorias.

A FCF (Federação Catarinense de Futebol) inclinada a melhorar o nível técnico das partidas, promete jogo duro contra problemas de iluminação e gramado fora dos “padrões”.

Estádio Augusto Bauer, alçapão do Brusque, pode ter feito sua despedida esse ano – Lucas Gabriel/Brusque FC/divulgação

No caso do Augusto Bauer, que pertence ao Vovô Catarinense Clube Atlético Carlos Renaux, mudanças consideráveis precisam ser feitas.

O presidente Danilo Rezini já revelou que uma reunião com Luciano Hang deve dar o devido encaminhamento para a situação. Ele revelou que o presidente do CACA já se manifestou e não deve custear as obras necessárias. O Brusque, na pessoa de Rezini, revelou que também não tem.

Um plano C, nesse caso, pode ser São João Batista onde o Brusque mandou seus jogos na Copa SC de 2018. O martelo, no entanto, não foi batido.

Futebol