Conteúdo por Gazeta Esportiva

Messi ignora premiação e diz que Copa América está “armada para o Brasil”

Atualizado

Lionel Messi abandonou seu estilo tranquilo para assumir uma postura incomum e agressiva ao comentar sua expulsão e a ausência na cerimônia de premiação após a vitória da Argentina por 2 a 1 sobre o Chile, neste sábado, na Arena Corinthians, pela disputa do terceiro lugar da Copa América.

Em uma entrevista repleta de declarações fortes e polêmicas, o craque disparou críticas contra a arbitragem, que o tirou de campo aos 36 minutos do primeiro tempo, após desentendimento com o zagueiro Gary Medel.

Inconformado com a expulsão, uma vez que reagiu calmamente às agressões do chileno, o meia-atacante argentino nem sequer voltou ao gramado para receber a medalha de bronze das mãos do presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez.

“Muita raiva, porque não merecia o cartão vermelho. Eu estava fazendo uma ótima partida. Fica a sensação de que não nos deixaram chegar à final. Acredito que o árbitro se excedeu um pouco. Um cartão amarelo para os dois encerrava tudo”, disse Messi, na zona mista da Arena.

Mas as declarações fortes não pararam por aí, e Messi foi além, acusando a Conmebol de favorecimento à seleção do país-sede do torneio. “Infelizmente, acredito que está tudo armado para o Brasil. Tomara que o VAR e o árbitro não influenciem na final, e o Peru possa competir, porque tem time para isso, mas é difícil”, esbravejou.

Na última terça-feira, pelas semifinais da Copa América, os jogadores argentinos deixaram o Mineirão reclamando de um pênalti não assinalado em Sergio Agüero no lance que originou o segundo gol do Brasil. Na visão deles houve omissão do árbitro de vídeo.

“Contra o Brasil e hoje (Chile) fizemos nossas melhores partidas, não nos deixaram estar na final. Não temos que fazer parte desta corrupção, desta falta de respeito da Copa. A corrupção e os árbitros não permitem que a torcida desfrute do jogo”, acrescentou.

Copa América