Conteúdo por Gazeta Esportiva

Nado artístico repete dois últimos Pans e termina na quarta posição

A equipe brasileira de nado artístico ficou no quase mais uma vez. Após as disputas do dueto pela manhã da última quarta-feira, as meninas voltaram a cair na piscina do Centro Aquático de Videna à noite para as finais por equipe dos Jogos Pan-Americanos e acabaram com a quarta colocação, com 161.293 pontos. O ouro ficou com o Canadá (179.673), a prata com o México (175.124) e o bronze foi para os Estados Unidos (170.8111), mesmo pódio do dueto.

“É claro que a gente queria estar no pódio, trabalhamos muito para isso. Sabíamos que poderia não acontecer, então temos que continuar trabalhando duro para no próximo Pan-americano voltar com a medalha pro Brasil”m avaliou Maria Bruno.

Equipe brasileira reproduz resultados dos últimos dois Pans (Foto: Jonne Roriz/ COB)

Com o resultado, o Brasil manteve o posicionamento dos últimos dois Jogos Pan-americanos, em Toronto e Guadalajara. Na apresentação da rotina livre, o Brasil realizou uma coreografia em homenagem à cultura peruana e ficou com 80.900 pontos. Juntando com a rotina técnica realizada no dia anterior, 80.392, o Brasil terminou com 161.292 pontos.

“Um ponto positivo na nossa apresentação é que conseguimos crescer bastante. Foi uma equipe com quatro pessoas mais novas e conseguimos amadurecer bastante”, complementou Luisa Borges.

O Pan de Lima foi classificatório para os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 no nado artístico. A equipe campeã está automaticamente qualificada para a competição do ano que vem, no Japão. Assim, o Brasil concentrará seus esforços no pré-olímpico, previsto para abril de 2020, que definirá os demais participantes.

Além de Luisa Borges e Micucci, que participaram do dueto, a equipe brasileira contou com Anna Giulia Veloso, Gabriela Regly, Giovana Stephan, Lorena Molinos, Maria Bruno, Jullia Catharino e Duda Miccuci.

Pan 2019