Números mostram que Avaí tem condições de escapar do rebaixamento mesmo com início ruim

Com pouco menos de 30 dias para “arejar” as ideias da temporada, o Avaí deve usar o intervalo no futebol nacional para reavaliar uma série de situações, inclusive, a do comando técnico do time. Enquanto as novidades resumem-se ao campo especulativo, o clube já faz uso da calculadora para mensurar o tamanho da arrancada necessária para espantar o fantasma – ou ao menos sonhar – em nome da permanência na elite do futebol nacional.

Com quatro pontos ganhos em nove jogos, a missão do Avaí não será nada fácil. A afirmação é baseada no histórico do Campeonato Brasileiro de pontos corridos desde 2006. Em apenas duas oportunidades um time chegou na nona rodada sem vencer e conseguiu escapar da degola: em 2008 com o Fluminense e em 2018 com o Ceará.

O caso do Tricolor Carioca era pior que o atual momento do Leão: eram seis derrotas e três empates. Mesmo assim, sob a batuta do centroavante Fred e do técnico Cuca, o Flu conseguiu escapar.

No ano passado o responsável pela salvação do Vozão atende pelo nome-alcunha de Lisca Doido. Chegou na nona rodada com o mesmo cenário do Flu, de Fred, três pontos em 27 disputados. Arrancou e ainda conseguiu fugir da zona maldita com uma rodada de antecedência.

Já os casos em que os times chegaram a essa altura sem ter sentido o gostinho da vitória e consolidaram a queda ao final do ano, são inúmeros. Santa Cruz (PE) em 2006, Avaí e Athletico, em 2011; e Atlético-GO em 2012, são só alguns dos exemplos.

Geninho confiante

A caderneta de objetivos dos clubes, antes de iniciar a competição, segue algumas pontuações bases para que, a partir disso, projete-se a campanha. A luta contra o rebaixamento indica um chamado número “mágico” de 45 a 46 pontos para que uma equipe atinja, matematicamente, a fuga da degola.

Após a derrota por 2 a 0 para o Palmeiras, o técnico Geninho falou, ao ser questionado, sobre a chance do Avaí se recuperar na tabela. Com 29 jogos a serem disputados, o Avaí precisa vencer, pelo menos, 14 vezes.

“Tem condições, sim. Precisamos melhorar algumas coisas, chegar alguns reforços para melhorar a situação, mas temos condições de nos recuperar”, disse o treinador.

Mais conteúdo sobre

Futebol