Oi Pro Junior Series começa nesta semana nas ondas da Praia da Joaquina, em Florianópolis

Atualizado

Daniel Templar lidera o ranking. Foto: Fabriciano Júnior

O futuro do surfe brasileiro estará nesta semana na Ilha de Santa Catarina, se apresentando na terceira das quatro etapas do Oi Pro Junior Series, nos dias 7 e 8 de setembro na Praia da Joaquina, em Florianópolis. Os que hoje estão dominando o World Surf League Championship Tour, Gabriel Medina, Filipe Toledo, Italo Ferreira, passaram por esta categoria dos surfistas com até 18 anos de idade, que é a principal competição das divisões de base no mundo. Os novos talentos do surfe brasileiro, argentino, chileno e peruano, vão disputar mais 1.000 pontos para os rankings regionais masculino e feminino da WSL Latin America, que decidem os campeões sul-americanos Sub-18 da temporada e os classificados para o Mundial Pro Junior da World Surf League, marcado para o final de novembro na Ilha Taiwan.

Foi nas mesmas ondas da Praia da Joaquina, onde Gabriel Medina conquistou seu primeiro título mundial, da categoria Pro Junior em 2013. No ano seguinte, se tornou o primeiro brasileiro a ser campeão do WSL Championship Tour. Os brasileiros são recordistas de títulos desde a implantação desta competição em 1998. São oito vitórias nas vinte edições completadas no ano passado, com o catarinense Mateus Herdy ampliando este domínio na Ilha Taiwan. Mateus foi o vencedor da primeira etapa do Oi Pro Junior Series na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, mas este foi o único evento Pro Junior que ele participou esse ano.

A categoria é a principal porta de entrada para os circuitos da World Surf League. O grande prêmio para os campeões mundiais, é a garantia de participação nas etapas mais importantes do WSL Qualifying Series, com status QS 6000 e QS 10000, que praticamente definem as dez vagas para a elite dos top-34 que disputa o milionário WSL Championship Tour. Os rankings regionais da WSL Latin America classificam os quatro primeiros colocados e as duas melhores do feminino, para representar a América do Sul na decisão dos títulos mundiais na Ilha Taiwan, de 26 de novembro a 1.o de dezembro nas ondas de Jinzun Harbor, em Taitung County.

No momento, após quatro das sete etapas do Circuito Sul-americano Pro Junior da WSL Latin America, os que estão formando o time masculino são o líder do ranking, Daniel Templar, de Saquarema (RJ), o paulista Daniel Adisaka em segundo lugar, o potiguar Mateus Sena em terceiro e o catarinense Lucas Vicente em quarto, com 290 de vantagem sobre o paulista Eduardo Motta, campeão do segundo Oi Pro Junior Series na Praia de Stella Maris, em Salvador. Foi na capital da Bahia, onde Daniel Templar assumiu a ponta do ranking computando mais um terceiro lugar, como nas três primeiras etapas, sempre parando nas semifinais.

QS NOS EUA – O surfista de Saquarema e os finalistas do Oi Pro Junior Series da Bahia, estavam nos Estados Unidos competindo no QS 3000 Vans Pro em Virginia Beach, ganhando experiência para atacar o WSL Qualifying Series nos próximos anos. O melhor deles foi Eduardo Motta, que passou três baterias e ficou em 13.o lugar nas quartas de final. O vice-campeão na Bahia, o paulista Fernando Junior, conhecido por John John pela semelhança com o bicampeão mundial John John Florence, perdeu em sua estreia e terminou em 65.o lugar. Já Daniel Templar foi barrado em segunda participação, ficando em 49.o no evento.

Todos estão confirmados para competir na Praia da Joaquina essa semana. Nos últimos anos, os títulos sul-americanos vinham sendo decididos em apenas uma ou duas provas. A WSL Latin America trabalhava para reforçar o calendário Pro Junior e conseguiu confirmar sete etapas para este ano. A Oi, que já patrocina a etapa brasileira do World Surf League Championship Tour, o Oi Rio Pro em Saquarema, além dos principais brasileiros da elite mundial, abraçou o projeto visando fomentar a base do esporte e anunciou o Oi Pro Junior Series, com quatro etapas sendo disputadas nos principais palcos do surfe brasileiro.

A abertura foi na praia que mais sediou etapas do CT no Brasil, a Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Foi a única que contou com a participação do atual campeão mundial Pro Junior, Mateus Herdy, e ele confirmou o favoritismo com a vitória na final sobre o paulista Daniel Adisaka. Entre as meninas, a campeã sul-americana de 2016, Tainá Hinckel, venceu o Oi Pro Junior Series do Rio de Janeiro e o da Bahia também. Além da invencibilidade no circuito promovido por um dos seus patrocinadores, a Oi, a catarinense também ganhou o Pena Little Monster na Praia da Taíba, no Ceará.

LÍDER NO JAPÃO – A maior promessa do surfe feminino no Brasil, também somou o terceiro lugar nas semifinais do Héroes de Mayo Iquique Pro nas ondas geladas do Chile, para liderar o ranking com uma grande vantagem de 3.560 pontos contra 2.265 da segunda colocada, a atual bicampeã sul-americana de 2017 e 2018, Sol Aguirre. Tainá Hinckel praticamente já garantiu uma das vagas para o Mundial Pro Junior e a carioca Julia Duarte entrou na briga com os vice-campeonatos nas duas últimas etapas vencidas pela catarinense, no Ceará e na Bahia. No Oi Pro Junior Series de Florianópolis, elas não terão a forte concorrência de Tainá Hinckel.

“Eu recebi um convite da CBS (Confederação Brasileira de Surf) para representar o Brasil no Mundial da ISA que vai rolar na mesma semana no Japão, então, infelizmente, não poderei competir justamente na etapa que será no meu estado”, lamentou Tainá Hinckel. “Eu e o meu pai, até pedimos para mudar a data para eu não perder nenhuma etapa do Oi Pro Junior, mas não foi possível e acho importante para mim ir representar meu país lá no Japão. Será um evento valendo vaga para as Olimpíadas de Tóquio e vários tops do CT estarão lá também, então é uma oportunidade que eu não poderia perder”.

Realmente, vários tops da elite mundial irão competir no ISA World Surfing Games do Japão. Uma das estrelas será Kelly Slater, que ainda tenta se classificar para participar da estreia do surfe nos Jogos Olímpicos. Quem também não vai disputar o Oi Pro Junior Series de Floripa pelo mesmo motivo, é a peruana medalhista de ouro no Pan-americano de Lima no Peru, Daniella Rosas. Ela participou de três das quatro etapas já realizadas, chegando nas semifinais no Rio de Janeiro e no Ceará e sendo vice-campeã em Iquique no Chile. Daniella não foi para o Oi Pro Junior Series da Bahia e perdeu a vice-liderança do ranking para Sol Aguirre.

A bicampeã sul-americana também estava nos Estados Unidos, onde conseguiu dois bons resultados. Sol Aguirre chegou as semifinais no evento Pro Junior do tradicional Vans US Open of Surfing no maior palco do surfe norte-americano, Huntington Beach, na Califórnia. E no último fim de semana, foi até as quartas de final do QS 1000 WRV Outer Banks Pro na Carolina do Norte. A peruana ainda não venceu nenhuma etapa esse ano e a chance está aberta agora, com a ausência de Tainá Hinckel no Oi Pro Junior Series da Praia da Joaquina.

Já estão confirmados 52 surfistas de vários estados do Brasil e de outros países, como Argentina, Uruguai, Peru, Chile, na categoria masculina e dezesseis na feminina. Ainda tem vagas para completar o limite de participantes, mas os principais concorrentes ao título sul-americano e pelas quatro vagas para o Mundial Pro Junior, estão na lista dos inscritos, então está garantido mais um show de surfe da nova geração nas ondas da “Joaca”. No feminino, a briga pela vitória no Oi Pro Junior Series também deverá ser intensa, devido a ausência da invicta Tainá Hinckel, campeã das outras duas etapas patrocinadas pela Oi.

Oi Pro Junior Series é uma realização da World Surf League Latin America com patrocínio da Oi como naming rights e da Subway, com todas as quatro etapas contando com o portal Waves como parceiro de mídia e sendo transmitidas ao vivo pelo www.worldsurfleague.com . Esta terceira etapa em Santa Catarina também conta com o importante apoio da Prefeitura Municipal de Florianópolis, Federação Catarinense de Surf (FECASURF) e Associação de Surf da Joaquina (ASJ).

Surfe