Para estancar crise nos bastidores, Figueirense apresenta componente do comitê de futebol

Atualizado

Cláudio Honigman e Luiz Greco – Patrick Floriani/FFC/divulgação

O Figueirense apresentou na manhã desta quinta-feira (23) seu novo diretor de Negócios e Parcerias, Luiz Greco. Posto pelo presidente Claudio Honigman, Greco fará parte de um “comitê gestor de futebol” composto pelo próprio presidente, o novo dirigente, o técnico Hemerson Maria e o coordenador-geral de futebol, Felipe Gil. Luiz Greco, ao ser questionado, fez questão de ressaltar que não veio para ser a figura responsável, e sim, para compor um grupo que intenciona e projeta alavancar o clube de volta à primeira divisão.

Leia mais

Depois da tempestade vem a bonança. É com base nesse dito popular que o Figueirense busca entrar novamente nos trilhos, ao menos, no que diz respeito aos seus bastidores. Se o vestiário segue “blindado”, o mês de maio, no bairro do Estreito foi marcado por demissões, desligamentos e cobranças em todas as linhas sucessórias da presidência. Começou com a saída do ídolo e ex-gerente de futebol, Fernandes; seguiu com o desligamento de Fernando Kleimmann, seguido da saída de Murilo Flores, a mais “traumática” de todas.

Isso, no entanto, faz parte do passado. O grande elo em busca de dias mais tranquilos no estádio Orlando Scarpelli está na chegada e apresentação de Luiz Greco, 38 anos de experiência no futebol com passagens por clubes como Santos e Athletico-PR, além de vasta experiência internacional. Foi a união desse currículo com a proposta do Furacão que fez o profissional desembarcar em Florianópolis:

“O projeto do Figueirense e a condição de clube empresa me ajudaram a escolher o clube”, resumiu o novo dirigente.

Questionado sobre onde, de fato, poderá atuar, Greco explicou que deve agir “tanto na área de negócios quanto na área técnica”, mas fez questão de ressaltar o trabalho a ser desenvolvido em equipe. “O modus operandi será sempre decidir em grupo”, insistiu.

Luiz Greco exemplificou sua trajetória no Athlético e no Santos, dois clubes  relevantes quando o assunto é trabalho nas categorias de base. Greco também falou da sua relação com o mercado exterior onde já projeta, para o ano que vem, levar a base do Furacão para torneios mundo a fora.

Sobre contratações o profissional preferiu desconversar. Revelou que viu “alguns jogos” do time de Hemerson Maria que foram feitas “algumas reuniões” entre esse comitê. Greco preferiu não falar em nomes e ainda fez questão de lembrar que qualquer definição “fica por conta do nosso presidente”.

Futebol