Conteúdo por Gazeta Esportiva

Para Thiaguinho, bronze no Pan tem que ser muito valorizado

Dois Pan-Americanos, duas medalhas: a prata em Toronto, há quatro anos, e o bronze em Lima, em 2019. Thiaguinho, levantador da seleção brasileira masculina de vôlei, viveu as emoções dos dois campeonatos e, apesar de ter descido um degrau no pódio nesta edição, valorizou a conquista deste domingo, quando o time não deu chances ao Chile na briga pela terceira posição.

“Essa medalha tem um gosto diferente da prata de Toronto. Foi o meu primeiro Pan como titular, liderando uma equipe jovem, que quer muito chegar, conquistar espaço. Esse bronze tem que ser muito valorizado. O mais legal é que, em pouco tempo, nós conseguimos formar um grupo que realmente joga junto, que se doa ao máximo para o time, que não desiste. Tenho muito orgulho de representar o nossa país ao lado de cada um deles. Nós merecemos essa medalha”, ressalta o levantador.

O levantador tem duas medalhas em Pans com o vôlei brasileiro (Foto: Norceca/Divulgação)

Agora, com duas medalhas em Jogos Pan-Americanos, Thiaguinho precisa apenas de mais uma para completar a coleção. “Só falta a dourada e, se Deus permitir, daqui a quatro anos estarei dando o máximo para buscá-la”, diz o jogador, que, na próxima semana, completará 26 anos.

Mesmo com o aniversário próximo, o bronze conquistado neste domingo foi dedicado a Manuela, filha do jogador, que nascerá no mês que vem. A equipe desembarcará no Brasil na manhã desta terça-feira, dia 6.

Na campanha do Pan de Lima, o Brasil estreou com uma vitória sobre o México por 3 sets a 1 e depois venceu o Chile pelo mesmo placar, além de ter superado os Estados Unidos por 3 a 2 na fase de classificação. Na semifinal, a seleção brasileira foi derrotada por Cuba por 3 a 0. Os argentinos conquistaram o título, o segundo consecutivo, e os cubanos foram vice-campeões.

Ao longo de sua história em Jogos Pan-Americanos a seleção brasileira masculina subiu ao pódio 16 vezes. Conquistou a medalha de ouro em São Paulo-1963, Caracas-1983, Rio-2007 e Guadalajara-2011; a prata em Chicago-1959, Winnipeg-1967, México-1975, San Juan-1979, Havana-1991, Winnipeg-1999 e em Toronto-2015; e o bronze em Cidade do México-1955, Cali-1971, Indianapolis-1987, Santo Domingo-2003 e Lima-2019.

Pan 2019