Paulo Prisco Paraíso descarta retorno ao Figueirense em nota oficial

Atualizado

Paulo Prisco Paraíso não voltará ao Figueirense. A informação foi confirmada por meio de nota oficial na manhã desta terça-feir (21). Segundo a publicação, não houve evolução nas conversas do contrato, além de haver uma corrente contrária dentro do clube.

Chiquinho de Assis e Paulo Prisco Paraíso iniciaram conversas já em 2019 – Foto: Figueirense/Divulgação/ND

O grupo foi procurado pelo presidente do Conselho Deliberativo do Figueirense, Francisco de Assis Filho, ainda em setembro de 2019. Na época, aceitou contribuir com sugestões administrativas e de indicações profissionais para o departamento de futebol, visando à recuperação da equipe na Série B do Campeonato Brasileiro.

Após o encerramento da competição, o grupo afirma ter sido novamente procurado por Francisco para iniciar um novo diálogo, envolvendo a construção de uma estratégia de recuperação administrativa, financeira e técnica.

Leia também:

Após diversos encontros, as partes definiram que o primeiro passo seria a assinatura de um contrato que permitisse ao grupo manifestar-se no mercado oficialmente em nome do clube, além de ter acesso a informações administrativas, contábeis, financeiras e jurídicas, uma vez que as mesmas seriam essenciais para um diagnóstico completo do atual momento da instituição.

O contrato teria como intuito uma consultoria à presidência do clube, com um período estipulado de um ano, além de ter a opção de rescisão, por ambas as partes, através de notificação simples.

A nota segue afirmando que posteriormente ao diagnóstico, o objetivo seria a apresentação de um plano de negócios para o Clube, a ser analisado e validado pelo Conselho Deliberativo, e a proposição de soluções estratégicas e administrativas, tendo como possibilidade a participação de membros deste grupo na gestão, algo que também seria discutido no âmbito do Conselho Deliberativo.

Corrente “contrária”

Porém, o grupo reitera, em nota, que não houve acordo. “Não havendo evolução na discussão do contrato e ciente de correntes contrárias de alguns conselheiros e ex-dirigentes que estão auxiliando o presidente Francisco neste momento de transição e tiveram acesso ao teor das ideias que vinham sendo discutidas, o processo de debate envolvendo este grupo e o futuro do Figueirense Futebol Clube acabou sendo inviabilizado”, diz a nota.

O grupo finaliza a nota agradecendo ao presidente Francisco de Assis pela “maneira cordial com a qual conduziu os contatos”.

Futebol