Pintado celebra “batalha”, mas alerta: “a guerra ainda não acabou”

Atualizado

O Figueirense desembarca nesta quarta-feira (12) em Florianópolis (SC) com três pontos na bagagem, mas muito mais leve do que se habituara nos últimos meses: depois de bater a Ponte Preta pelo placar de 3 a 1, o Furacão saiu da zona do rebaixamento 14 jogos depois de ingressar.

Ponte Preta x Figueirense, pela 35ª rodada da Série B – Foto: Ponte Press/Álvaro Júnior/divulgação

Apesar de todo o alívio pelo resultado e a certeza de somente depender de si para se manter na Série B, o Figueirense terá problemas para o duelo frente ao Cuiabá, no próximo domingo (17), a partir das 18h30.

Leia também

Alemão e Ruan Renato tomaram o terceiro amarelo e são desfalques na defesa alvinegra. Luis Ricardo, o lateral-direito, também estará fora pelo mesmo motivo.

O atacante Jefferson Renan, autor do passe para o primeiro gol da partida, saiu de campo machucado e a situação preocupa.

Pintado celebra “batalha” e alerta para “guerra”

O técnico Pintado, do Figueirense, falou em “humildade” para conquistar a vitória sobre a Ponte Preta, dentro do estádio Moisés Lucarelli. Questionado sobre a queda de rendimento da equipe, Pintado falou em situação difícil e “fio da navalha” para ilustrar o momento do clube no compito geral da temporada.

O treinado celebrou a vitória “em várias mãos” onde o Figueirense mostrou muita força ao bater o “forte” time da Ponte Preta.

“Eu fico feliz, saímos com o resultado que a gente precisava, vencemos a batalha, mas a guerra ainda não acabou”, analisou o comandante alvinegro.

Futebol