Respaldado por Luciano Hang, Brusque projeta ascensão no futebol: “quem sabe Série A?”

Atualizado

Dono do melhor desempenho futebolístico de Santa Catarina, no momento, o Brusque não está nessa condição a toa. Empurrado pela poderosa rede de lojas Havan, o clube quadricolor está perto de bordar sua primeira estrela nacional no escudo e quer mais, afinal, o mais importante cidadão brusquense, Luciano Hang, está disposto a investir no clube e se deu ao direito de sonhar: “quem sabe chegar na Série A?!”.

Leia mais

As vésperas de disputar a primeira final nacional da sua história, o Brusque sonha com voos mais altos. Depois de arrancar uma classificação heroica diante do Ituano-SP por 4 a 3 nos pênaltis sob o olhar de Hang, o clube do Vale do Itajaí quer se candidatar a uma força do estado. E a fórmula para isso está próxima, ao menos, no assumido desejo do megaempresário.

Luciano Hang, no meio da galera, vibrou com a virada do Brusque sobre o Ituano – Diogo de Souza/ND

“Eu acho que agora chegando à Série C, chegarmos na Série B e, quem sabe, chegarmos na Série A como aconteceu com a Chapecoense, com outros times que conseguiram sair lá de baixo e conseguiram chegar lá. Mas agora na C, sonhar com uma série B”, projetou Luciano Hang.

Brusque no caminho para tornar-se uma empresa

É difícil encontrar alguém, em Brusque, que arrisque-se a dizer “não” para Luciano Hang. Dono de uma rede que inaugurou, no último sábado (3), a loja de número 128 no País ele ostenta um know how que dificilmente alguém ouse contestar.

Também por isso ele entende que esse sonho será possível em, pelo menos, duas condições: a fusão da atual administração brusquense com a administração da Havan e a transformação do Brusque em clube-empresa.

“Estamos conversando no sentido de que a Havan pode ajudar muito mais o Brusque desde que a Havan possa também participar mais ativamente da administração do Brusque”, pontuou o empresário.

Hang ainda falou abertamente sobre o desejo de incluir “todos os elementos” que formam o clube em um clube-empresa. “Não só paixão, mas também organização”, acrescentou.

Para o presidente do Brusque, Danilo Rezini, há o consenso entre as partes de que essa união entre o clube e a empresa é a única “chance” de alçar voos maiores no cenário nacional.

Futebol