Conteúdo por Gazeta Esportiva

Sampaoli explica ‘3-2-5’ e lamenta “desconforto” em derrota no San-São

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, lamentou o “desconforto” da equipe na derrota por 3 a 2 para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O treinador explicou a opção por Lucas Veríssimo pela direita, com Victor Ferraz no banco, e disse que o time não atuou como está acostumado no clássico.

“Jogamos um jogo de muitas idas e voltas. Treinamos dessa forma, não é a que habitualmente jogamos. Tivemos chances claras, fomos para o intervalo vencendo e depois não encontramos linha de passe e jogo coletivo. Deixamos o jogo cômodo para o São Paulo. Mais do que as intenções, jogo não foi como de costume. Pensamos em transições rápidas, por isso pensamos em três centrais. Ideia era controlar a saída com três centrais e jogar num 3-2-5. Jogo nos levou a que ele (Veríssimo) fosse lateral. Não foi determinante, é coincidência (outras derrotas com três zagueiros). É fácil coincidir pontualmente porque não ganhamos. Não foi por isso, não tocamos muito, não encontramos os livres na pressão, superar o tempo que São Paulo não nos deu para sair com limpeza”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Foram dois gols de bola parada e um erro não forçado. São Paulo não criou tanto além da pressão individual. Tivemos chances no primeiro tempo, Volpi defendeu o cabeceio e tivemos aproximações antes do 3-2. Partida não nos deixa muitas coisas porque não jogamos como estamos acostumados”, completou.

Sampaoli espera que o Santos dê a volta por cima no Brasileirão e saiba pontuar mesmo em jornadas ruins.

“Espero que entendamos nossa maneira de jogar e nossos limites. Seguir trabalhando para fortalecer. Não jogaremos bem sempre e temos que seguir adiante. Não jogaremos sempre bem. Hoje não jogamos. Temos que estar cômodos com o jogo, com a bola, não correndo por 90 minutos”, afirmou.

“Temos que trabalhar muito mais para reverter jogos ruins. Temos que resolver jogando, mais além da pressão do rival. Treinamos sempre o jogo. Hoje tivemos uma queda. Ganhamos os sete e não fomos tão bons. Jogamos melhor que o rival e aproveitamos chances. Das sete chances claras do primeiro tempo, poderíamos ter mudado a história do jogo. Esse é o futebol”, concluiu.

O Santos, ainda líder, voltará a campo para enfrentar o Cruzeiro no domingo (18), no Mineirão, pela 15ª rodada do Nacional.

Mais conteúdo sobre

Futebol