Conteúdo por Gazeta Esportiva

“Tenho tido muita paciência com o Pato”, diz Cuca após atacante brilhar

O técnico Cuca foi só elogios a Alexandre Pato após a vitória por 3 a 2 sobre o Santos, neste sábado, no estádio do Morumbi. O atacante são-paulino balançou as redes duas vezes para o Tricolor no clássico e mostrou ao treinador do Tricolor que a paciência que teve durante todo esse tempo acabou valendo a pena.

“Tenho confiança em todos os jogadores. Às vezes, temos algumas ideias e elas não passam por esse ou aquele jogador. Com o Pato a gente tem tido muita paciência, estava em um centro asiático, demora mais para se adaptar”, disse Cuca.

Sem conseguir render o esperado nos últimos compromissos do São Paulo após a pausa para a disputa da Copa América, Alexandre Pato foi bastante criticado por parte da torcida nos duelos com o Fluminense e Chapecoense. O primeiro tempo do atacante neste sábado, contra o Santos, também não foi dos melhores, mas ele encontrou a redenção na etapa complementar.

“O Pato tem se doado bastante, treinado bastante. Às vezes, sai por opção tática minha, porque a técnica dele é indiscutível. Hoje era um jogo para ele jogar o jogo todo, cansou no final, pediu para sair, mas fez um grande trabalho, principalmente pelos dois gols que ele fez”, comentou o técnico são-paulino.

Aberto pela esquerda, como vem atuando desde que o São Paulo preencheu a carência de centroavantes, Alexandre Pato era para ter jogado neste sábado de uma forma completamente diferente. Conforme Cuca explicou na entrevista coletiva, a escalação do zagueiro Lucas Veríssimo na lateral direita fez com que o plano tivesse de ser mudado de última hora.

“Ia jogar com o Pato no 4-4-2, abrindo o Everton pela esquerda, jogando o Toró para a ponta direita e tendo Pato e Raniel como os dois atacantes. A estratégia era essa, jogar com dois atacantes, e eles com a linha de três zagueiros. Mas, quando entra Lucas Veríssimo na letral direita, com uma linha de 4, prefiro abrir o Pato na ponta, não tendo muito desgaste para acompanhar lateral. Em cima disso mudamos a forma de jogar, porque tínhamos treinado duas ou três formas”, concluiu.

Futebol