Tony fala em falta de representatividade do clube e dispara: “situação insustentável

Atualizado

“Eu me sinto envergonhado, eu tenho duas filhas e não sei mais o que dizer”. Esse desabafo foi dado pelo meia Tony, ao final da derrota do Figueirense para a Ponte Preta por 1 a 0, no estádio Orlando Scarpelli.

Leia mais

O relato foi dado ao repórter Mateus Boaventura, da rádio CBN Diário, na saída para o teste antidoping. O meia, que participou dos 16 jogos do Furacão na Série B, falou ainda da “falta de representatividade” do clube que, no seu entendimento, foi prejudicado pela arbitragem.

Por fim o camisa 7 do Furacão, que chegou em Florianópolis a partir de um pedido do então técnico Hemerson Maria, falou em situação “insustentável”.

Vinícius Eutrópio falou em “caminho certo”

O técnico Vinícius Eutrópio lamentou o resultado, mas se disse satisfeito com a produção da sua equipe. Exaltou “domínio” sobre a Ponte Preta e citou “29 cruzamentos na área” da Ponte Preta além de 12 finalizações.

Vinícius Eutrópio, técnico do Figueirense – Matheus Dias/FFC

Além de aprovar a postura “aguerrida” do clube, Eutrópio criticou a arbitragem do sul-matogrossense Marco Mateus.

“Eu acho que o lance do gol [do Diego Renan] o Trevisan estava impedido. É o terceiro jogo que temos a influência da arbitragem, era pra termos uns cinco ou seis pontos a mais na tabela”, argumentou.

Futebol