Travado, Brasil perde da Bélgica e é eliminado da Copa do Mundo da Rússia

KAZAN, RÚSSIA (FOLHAPRESS) – É o fim do sonho do hexacampeonato brasileiro na Rússia. Sem conseguir desenvolver a maioria das jogadas que tentou, o Brasil perdeu nesta sexta-feira (6) para Bélgica por 2 a 1 e deu adeus à Copa do Mundo.

Os dois gols belgas foram marcados ainda no primeiro tempo. Fernandinho marcou contra o gol defendido por Alisson e De Bruyne fez o segundo em belo chute de fora da área, após arrancada de Romelu Lukaku no contra-ataque. A seleção ainda descontou na segunda etapa com Renato Augusto, de cabeça.

Com a classificação para a semifinal em cima do Brasil, a Bélgica confirma a expectativa em cima de sua geração de ótimos jogadores, de fazer um grande campeonato. O próximo desafio é na terça-feira (10) contra a França, às 15h, em São Petersburgo.

Dois gols belgas foram marcados ainda no primeiro tempo - SAEED KHAN / AFP
Dois gols belgas foram marcados ainda no primeiro tempo – SAEED KHAN / AFP

BRASIL

Alisson; Fagner, Thiago Silva, Miranda, Marcelo; Fernandinho, Paulinho (Renato Augusto), Philippe Coutinho; Willian (Firmino), Neymar, Gabriel Jesus (Douglas Costa). T.: Tite

BÉLGICA

Courtois; Meunier, Alderweireld, Kompany, Vertonghen; Witsel, Fellaini, De Bruyne; Chadli (Vermaelen), Hazard, Lukaku (Tielemans). T.: Roberto Martínez

Local: Arena Kazan

Público: 42.873 espectadores

Árbitro: Milorad Mazic (SER)

Cartões Amarelos: Fagner e Fernandinho (Brasil); Alderweireld e Meunier (Bélgica)

Gols: Fernandinho (contra) (BEL), aos 12min do primeiro tempo; De Bruyne (BEL), aos 30min do primeiro tempo; Renato Augusto (BRA), aos 30min do segundo tempo

Mais conteúdo sobre

Copa do Mundo

Nenhum conteúdo encontrado

Travado, Brasil perde da Bélgica e é eliminado da Copa do Mundo da Rússia

Atualizado

KAZAN, RÚSSIA (FOLHAPRESS) – A “rebeldia tática” venceu o equilíbrio. A Bélgica eliminou o Brasil da Copa da Rússia ao vencer por 2 a 1 nesta sexta (6), em Kazan, pelas quartas de final.

Os gols da vitória belga foram marcados ainda no primeiro tempo por Fernandinho, contra, e De Bruyne. O Brasil descontou com Renato Augusto, aos 30 min do segundo tempo.

A derrota poderia ser maior e tinha pinta de 7 a 1, placar da vergonhosa derrota para a Alemanha no Mundial de 2014.

O trio belga formado por Lukaku, Hazard e De Bruyne fez o que quis no primeiro tempo com a defesa brasileira, que havia tomado apenas um gol no Mundial.

Foi a segunda derrota da era Tite, que colecionava 20 vitórias e quatro empates. O treinador deixa o Mundial sem conseguir superar o seu antecessor. Na Copa passada, o Brasil sob o comando de Luiz Felipe Scolari ficou em quarto lugar.

Antes do início do Mundial, a equipe de Tite fez a melhor campanha pré-Copa desde o Brasil de 1970.

A partida em Kazan foi a terceira na era Tite, que o time começava perdendo.

Substituto de Casemiro, o volante Fernandinho falhou nos dois gols. No primeiro, ele cabeceou a bola para dentro do gol de Alisson. No segundo, ele perdeu a disputa com Lukaku, que deu uma arrancada para o belo segundo gol.

Neymar deixa o Mundial também sem encartar. Ele marcou apenas dois gols e foi criticado por adversário por encenar faltas.

Gabriel Jesus fez uma Copa pífia. Ele não balançou a rede.

A seleção se despede da Copa sem ter conseguido convencer. Nas quatro partidas anteriores, o time apresentou um futebol sem criatividade e previsível.

Na próxima terça (10), a Bélgica decide contra a França, em São Petersburgo, uma das semifinais.

Roberto Martínez, que gosta de se definir como “um rebelde tático”, manteve a invencibilidade no comando da equipe. Ele assumiu em 2016 na mesma época que Tite aceitou o convite da CBF.

No começo, o espanhol chegou a entrar em confronto com as principais estrelas do time por causa da mudança tática, mas conseguiu convencê-lo após a sequência de resultados positivos.

Ele escala o time com três zagueiros e três atacantes.

Adepto do chamado “equilíbrio” tático, Tite não fez o time funcionar. Em Kazan, a seleção, que errou muitos passes, estava perdida em campo no primeiro tempo. No final, a equipe reagiu, mas na vontade do que no bom futebol.

Apesar do vexame desta sexta (6), o Brasil começou melhor. Apoiada pela torcida brasileira, que cantava na arquibancada, o time criou a primeira oportunidade. Aos 7 min, Thiago Silva acertou a trave após cobrança de escanteio de Neymar.

A seleção continuava em cima do adversário.

Mas a Bélgica abriu o placar. Aos 13min, Fernandinho tentou tirar uma cobrança de escanteio de De Bruyne e colocou a bola para dentro do gol defendido por Alisson.

Em desvantagem, o Brasil sentiu a pressão. A equipe se lançou ao ataque de forma desorganizada. Os belgas ficaram ainda mais perigosos. Eles saíam em velocidade para o contra ataque.

Numa dessas, aos 31 min, De Bruyne fez o segundo. Ele recebeu um belo passe de Lukaku, que deu uma arrancada impressionante da sua defesa.

Sem marcação, o jogador do Manchester City dominou e deu um belo chute que Alisson não segurou.

O Brasil continuava perdido em campo. Hazard , De Bruyne e Lukaku envolviam a defesa brasileira com facilidade.

O equilíbrio pedido por Tite não existia em Kazan. Os belgas dominavam com facilidade.

Na volta do intervalo, a seleção mudou. Tite colocou Roberto Firmino no lugar do apático Willian.

O Brasil se jogou ao ataque no 4-4-2, com Coutinho pela esquerda, Jesus pela direita, Neymar e Firmino na frente.

Mesmo assim, a Bélgica dominava a partida. Em seguida, aos 12 min, Tite desistiu de Jesus e colocou Douglas Costa.

A seleção começou a gostar do jogo. Precisando da vitória, Tite abriu o jogo. Aos 26 min, ele colocou Renato Augusto no lugar de Fernandinho.

O gol saiu logo depois. Aos 30 min, Renato Augusto aproveitou o cruzamento de Coutinho e fez de cabeça.

A partir daí, o Brasil pressionava os belgas e tornou o final dramático. O adversário se defendeu como podia e segurou o resultado.

Desde 1986, a Bélgica não chegava numa semifinal de Mundial e pode conseguir o título inédito.

Mais conteúdo sobre

Esportes