‘Um pokémon só não faz verão’: as lições do Vasco por uma recuperação

 Yago Pikachu é o único jogador do Vasco que vem mantendo uma regularidade na equipe. Veja a galeria L! - (Foto: Andre Borges/AGIF /Lancepress!)
Yago Pikachu é o único jogador do Vasco que vem mantendo uma regularidade na equipe. Veja a galeria L! – (Foto: Andre Borges/AGIF /Lancepress!)

Assim como no ditado popular “uma andorinha só não faz verão”, no Vasco um “pokémon” sozinho não consegue fazer as vitórias ocorrerem. Nesta temporada, o meia Yago Pikachu vem sendo o único jogador que mantém uma regularidade nas disputas em campo, mas com os demais jogadores sendo irregulares, oscilando, além de decisões erradas do técnico Jorginho, o trabalho do Vasco acaba não surtindo efeitos, provocando derrota atrás de derrota – a última foi para o Corinthians, por 4 a 1, no último domingo, em Brasília, pelo Campeonato Brasileiro. O LANCE! destrincha as lições por uma recuperação a partir de agora.

No jogo de Brasília, pela quarta vez na temporada, o Vasco sofreu quatro gols no mesmo dia. A falta de equilíbrio da equipe comandada por Jorginho, aliado a uma oscilação evidente de um elenco que falta técnica, prejudica o trabalho na busca pelos objetivos. Sofrer quatro gols em 45 minutos, de virada, é inadmissível para um time do tamanho do Vasco, que fica dependente de Yago Pikachu – que sozinho não faz milagres. Tudo bem que ele é o artilheiro em 2018 da Colina – fez 15 gols, o último sendo o de honra justamente diante do Corinthians -, mas repito: sozinho não faz milagres.

Na defesa, Ricardo Graça pelo segundo jogo seguido falhou em gols. No meio, Evander não conseguiu dar a criatividade necessária para o setor. No ataque, Andrés Rios pecou na pontaria. No banco de reservas, Jorginho mais uma vez errou na formação titular, no esquema, demorando a perceber para corrigir com as substituições. Na presidência, Alexandre Campello também errou na decisão de vender o mando de campo do Vasco de São Januário para o Mané Garrincha… Um total acúmulo de falhas que ao invés de serem corrigidas, estão se perpetuando e o torcedor do Vasco acaba sofrendo com isso.

As lições que precisam ser aprendidas o quanto antes para o Vasco ter um segundo semestre tranquilo vão de encontro a um reforço do elenco. Com Maxi López em forma e a contratação de Leandro Castán sendo confirmada, um passo de melhora já será dado, mas de nada irá adiantar se erros de esquema continuarem a acontecer. Diante do Corinthians, o apagão tático na volta do intervalo foi surpreendentemente negativo. No jogo anterior, pela Conmebol Sul-Americana, a decisão de poupar titulares levou ao mesmo caminho em outra derrota… Há a necessidade de que decisões certas passem a ser tomadas urgentemente.

Sem contar nos demais números do Vasco na temporada. De acordo com estatísticas divulgadas pelo “FutDados”, o Vasco é a equipe da Série A do Campeonato Brasileiro com mais jogos que sofreu ao menos três gols (11 vezes, número que poderia ser maior já que o time tem dois jogos a menos, contra o Santos e o Atlético-PR), a que mais perdeu (16 vezes), maior média de gols sofridos (1,57) e quem mais sofreu gols (66 vezes), terceiro pior em saldo, 17º em aproveitamento… Não é mais momento de o Vasco errar. A “pokémondependência”, assim como qualquer tipo de dependência, não faz bem para o Vasco e ninguém.

Mais conteúdo sobre

Esporte