Conteúdo por Gazeta Esportiva

Urso concorda com avaliação de Boselli e explica erros contra o Botafogo-SP

O volante Júnior Urso foi o escolhido para falar com a imprensa na manhã desta segunda-feira, na reapresentação do Corinthians, dois dias depois da derrota por 2 a 1 para o Botafogo-SP, no primeiro amistoso da parada para a Copa América. Sincero, o meio-campista concordou com a fala do argentino Mauro Boselli no pós-jogo, afirmando que a equipe precisava melhorar muito se quisesse disputar algo no segundo semestre. O comentário teve bastante repercussão.

“Não houve muita conversa entre a gente sobre esse assunto. Mas há verdades naquilo que ele disse. Talvez fosse mais viável conversar entre nós, somos maduros, mas não deixa de estar certo. Se entrarmos no Brasileiro da mesma forma que atuamos contra o Botafogo-SP não vamos conseguir brigar pelo título, no Brasileiro é alto o nível de exigência”, avaliou o volante, reconhecendo que, após a Copa América, não haverão mais “desculpas” para justificar o mau desempenho.

As palavras de Boselli foram ditas logo após o final do embate. Além de ser derrotado por uma equipe que disputa a Série B do Campeonato Brasileiro, o Timão levou o tento derradeiro nos acréscimos, vendo o adversário concluir de calcanhar uma jogada de bola aérea na sua defesa.

“Nós temos que melhorar muito. Não estamos jogando bem. Temos que trabalhar muito se quisermos crescer nos campeonatos. Assim, jogando desse jeito, creio que não conseguiremos nada. Temos mais umas semanas para trabalhar e nos acertar”, disse o argentino ao Sportv, em palavras endossadas por Urso – ainda que ele preferisse ter ouvido isso no vestiário.

“Acredito que faltou algumas coisas, faltou colocar em prática a posse de bola que a gente disse que teria”, começou Urso, que culpou mais os atletas pela falta de entendimento dos pedidos de Carille do que o próprio treinador e os trabalhos realizados no CT Joaquim Grava.

“Não tivemos posse, não tivemos aquele equilíbrio de jogo e, querendo ou não, faltou aquele chute a gol que também trabalhamos, coisas que foram pedidas. Há tempo ainda de trabalhar até começar o Brasileiro novamente. Às vezes, durante o jogo, a gente passa longos minutos sem finalizar a gol. O que ele (Carille) passa é chutar mais, arriscar mais”, concluiu Urso.

Futebol