Conteúdo por Gazeta Esportiva

Vidal confia em elenco bicampeão, mas cobra renovação no Chile

Atualizado

O Chile deixará oficialmente de ser o atual bicampeão da Copa América ao final do duelo entre Brasil e Peru, neste domingo, no Maracanã, mas já trata com atenção a necessidade de renovação para seguir no topo do continente. Um dos maiores expoentes dessa geração, o meia Arturo Vidal, do Barcelona, acredita que é importante que alguns jovens jogadores apareçam para manter o nível conquistado pelos seus companheiros.

“É importante que os jovens comecem a somar”, disse o meio-campista. “O professor falou outro dia que não temos nem um jogador abaixo dos 23 anos. Tomara que os jovens jogadores apareçam e contagiem o nosso grupo porque é importante”, afirmou o líder da equipe nos títulos continentais de 2015 e 2016.

O “Rei” é um dos maiores expoentes da geração bicampeã (Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

Ainda que não tenha conseguido o sonhado tricampeonato e ainda saia com a imagem de duas partidas ruins contra Peru e Argentina, os chilenos acreditam que ainda podem dar mais frutos ao país. Com a maioria no começo dos seus 30 anos (Aránguiz, Sánchez e Vargas), é factível que todos cheguem em condição de disputar a próxima Copa América, em 2020, na Argentina/Colômbia, e a Copa do Mundo de 2022, no Catar.

“O balanço final para nós acredito que é bom. Quando chegamos aqui pensávamos em ganhar essa taça e não foi possível. Mas vamos seguir nos preparando porque vêm coisas lindas por aí, sabemos hoje o que esse time é capaz quando estamos bem”, continuou Vidal, corroborando com a visão do técnico Reinaldo Rueda, uma das novidades em relação aos últimos títulos.

“Se olharmos quantitativamente esse saldo não é o ideal. Mas entramos na Copa América sendo a sexta força na América do Sul, por não termos ido à Copa do Mundo. Hoje saímos em quarto. Embora, não seja o que corresponde ao que foi feito dentro de campo”, avaliou Rueda, contestado antes do torneio, ainda em busca de maior respaldo da torcida chilena.

Ele e os atletas agora ficam um tempo separados antes da próxima reunião, marcada justamente para encarar a Argentina, no dia 5 de setembro, em amistoso nos Estados Unidos. Será a primeira data Fifa após o encerramento do torneio sul-americano.

Copa América