Dia da Liberdade de Impostos em Chapecó será nesta quinta-feira

Campanha educativa celebrada no dia 4 de junho revela o peso dos tributos no bolso dos consumidores

De janeiro a maio, quase R$ 1 trilhão em impostos foram pagos pela população brasileira, em 73 tipos de tributos – impostos, taxas e contribuições – federais, estaduais e municipais. O custo anual tributário no País corresponde a um terço das riquezas geradas pelos trabalhadores e pelas 20 milhões de empresas em operação no Brasil.

Impostos impactam no valor dos produtos e no bolso dos consumidores – Foto: MB/NDImpostos impactam no valor dos produtos e no bolso dos consumidores – Foto: MB/ND

Em Santa Catarina, a arrecadação de impostos ultrapassa R$ 36 bilhões nestes primeiros cinco meses do ano, o que corresponde a 3,91% do total pago no País. Em Chapecó, o montante até o momento é superior a R$ 122 milhões arrecadados.

Os números fazem parte do levantamento feito pela CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Chapecó, juntamente com a CDL Jovem, para conscientizar a população sobre o peso da carga tributária no Brasil.

A ação faz parte da campanha do Dia de Liberdade de Impostos, celebrada neste ano nesta quinta-feira (4). A data marca o fim simbólico do período em que o contribuinte trabalhou apenas para pagar os impostos.

A campanha inclui ações e debates exclusivamente educativos na maior cidade do oeste catarinense para evitar aglomerações geradas por ofertas e promoções especiais.

O presidente da CDL Chapecó, Clóvis Afonso Spohr, destaca que 40% das horas trabalhadas são destinadas ao pagamento de impostos, uma das mais elevadas cargas tributárias do mundo.

“A data da campanha marca exatamente o período utilizado pelos brasileiros (aproximadamente cinco meses) só para pagar impostos. Quase metade dos 365 dias trabalhados no ano. É muito tempo”, avalia Spohr.

Simplificação tributária

Para o presidente da CDL Jovem, Luiz Felipe Concatto, a carga tributária brasileira apresenta três grandes problemas: é elevada, complexa e não é bem aplicada. A análise se refere à quantidade de impostos, à burocracia fiscal devido à diferenciação de alíquotas em cada estado e município e à má aplicação dos recursos arrecadados.

“Neste momento de pandemia, percebemos o quanto esse recurso bem investido faria a diferença para a saúde, na compra de respiradores e na estruturação de leitos de UTI. Hoje se gasta muito com o funcionalismo público e não sobra para os setores básicos”, afirma Concatto ao sugerir a simplificação tributária e a maior transparência dos gastos como soluções ao País.

Campanha 2020

As tradicionais ofertas com descontos que chegam até 70% em todo o comércio não farão parte da campanha neste ano em Chapecó. A decisão da CDL atende recomendações sanitárias de prevenção e combate à Covid-19, especialmente a de evitar aglomerações.

Em todo o País, devido à pandemia, a campanha será online e por delivery neste ano. De acordo com o presidente da CDL Jovem, Chapecó também não seguirá a estratégia do e-commerce, medida que restringiria a participação do varejo local.

“Como não são todas as empresas que atuam com vendas na internet, a campanha acabaria privilegiando alguns setores e não teria o mesmo resultado. É um ano para resgatarmos o caráter educacional da data, de conscientização sobre a necessidade de simplificarmos ou reduzirmos a carga tributária no Brasil e de aplicarmos bem os recursos arrecadados”, observa Concatto.

Em 2019, o Dia da Liberdade de Impostos teve a adesão de mais de 100 empresas no município, possibilitando descontos entre 60% e 70% nos principais produtos de consumo. Para este ano, se não fosse pelo coronavírus, a campanha contemplaria mais de 200 lojas, recorde de participação com o dobro de ofertas.

“Promoções levam os consumidores às lojas e esse deslocamento provoca aglomerações, algo que não podemos incentivar em meio a uma pandemia. O momento não nos permite inovar. Deixaremos isso para o ano que vem”, destaca o presidente da CDL Jovem.

O Dia de Liberdade de Impostos é realizado pela CDL Jovem Nacional há 14 anos e mostra na prática o tamanho e o peso dos impostos no cotidiano dos brasileiros. Na data, os lojistas assumem o pagamento dos tributos de cada item, sem repassar a cobrança aos consumidores, que acabam pagando o preço de custo dos produtos.

 Confira o peso dos impostos em itens:

  • Pão francês: 16,86%
  • Arroz: 17,24%
  • Feijão: 17,24%
  • Fermento: 38,48%
  • Pizza: 36,54%
  • Manteiga: 33,77%
  • Cerveja garrafa: 42,69%
  • Vinho importado: 69,73%
  • Champanhe: 59,49%
  • Cachaça: 81,87%
  • Água mineral: 43%
  • Leite: 16%
  • Energia elétrica: 48%
  • Comunicação: 38%
  • Passagem aérea: 23%
  • Hospedagem: 30%
  • Perfume: 78%

0 Comentários

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

+ Impostos