Menos de uma semana depois de iniciar, Campeonato Brasileiro soma 55 casos de coronavírus

Casos foram confirmados nas séries A, B e C do futebol nacional e já fizeram a CBF tomar providências ao adotar medidas mais rígidas em seu "protocolo"; medidas serão válidas a partir de sexta-feira

As séries A, B e C do Campeonato Brasileiro, iniciadas há cinco dias, já registram 55 casos de Covid-19 entre jogadores. Três partidas foram suspensas pela CBF – Goiás x São Paulo, Chapecoense x CSA e Treze-PB x Imperatriz-MA – por causa do novo coronavírus.

Copa do Nordeste foi a primeira competição da CBF a voltar, depois da parada em função da pandemia; protocolo proposto pela entidade se mostra insuficiente – Foto: CBF/divulgação

Os casos mais recentes de contaminação aconteceram no Corinthians e no Atlético Goianiense. Na terça-feira (11), o clube paulista registrou dois testes positivos: do zagueiro Gil e o do atacante Léo Natel.

O clube afirmou que, “mesmo existindo evidências de que os exames de RT-PCR podem permanecer positivos durante um longo período, mesmo após já terem cumprido quarentena, e sem transmissão do vírus”, preferiu afastá-los do restante da equipe. Assim, eles nem viajaram para o duelo contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte.

O Atlético Goianiense, por sua vez, se deparou com quatro testes positivos entre seus atletas. Diferentemente da decisão do Corinthians, entrou com um recurso na CBF para escalar os quatro jogadores que testaram positivo.

O clube justificou que os atletas tinham sido contaminados anteriormente e, de acordo com o próprio protocolo elaborado pela entidade, não havia mais riscos de transmissão. A CBF aceitou a solicitação e liberou os jogadores para a partida contra o Flamengo.

Poucas horas antes da bola rolar, no entanto, dois atletas – que seriam titulares, foram confirmados com o novo coronavírus e foram retirados da delegação.

Apesar de divergentes, os casos possuem uma semelhança: a aplicação do teste RT-PCR:

“Esse teste detecta partículas do RNA do vírus e não o vírus completo. Ele pode ficar positivo por algumas semanas, mesmo que a doença esteja curada e a pessoa não esteja mais transmitindo. Nós não recomendamos a realização deste teste em exames de rotina ou de controle para a liberação de pessoas infectadas pela Covid-19, que cumprem isolamento”, explicou o infectologista Renato Grinbaum, membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), que afirma ainda que os testes não são utilizados para determinar o índice de contagiosidade de uma pessoa.

“Nós utilizamos um número padrão determinado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC). Hoje, a recomendação é manter o isolamento de 14 dias após o surgimento dos primeiros sintomas. Para uma pessoa assintomática, que testou positivo para Covid-19 em um exame RT-PCR, a recomendação é a mesma, ou seja, 14 dias de isolamento Nós não fazemos o exame novamente para comprovar se a pessoa é infectante ou não. Nenhum exame indicará isso”, concluiu Grinbaum.

Também na terça-feira, o CSA, de Alagoas, registrou mais nove casos de Covid-19 em seu plantel. Ao todo, são 18 atletas infectados. Isso porque, antes da estreia da equipe na Série B, contra o Guarani, no último sábado, outros nove jogadores já haviam testado positivo para a doença.

No último domingo, o Goiás registrou 10 casos de Covid-19 em seu elenco horas antes da estreia da equipe na Série A contra o São Paulo. Os jogadores do time tricolor paulista já estavam dentro de campo quando foram informados de que a partida não aconteceria.

O confronto entre Goiás e São Paulo não foi o único a ser suspenso. Na Série C, o Imperatriz, do Maranhão, registrou 12 casos de Covid-19 entre seus jogadores. O clube enfrentaria o Treze, da Paraíba. Ainda na terceira divisão, o Vila Nova registra dois casos positivos entre seus jogadores, enquanto que São Bento e Brusque possuem um atleta infectado em seus elencos

O Botafogo também registrou dois jogadores infectados. Eles não viajaram para o jogo contra o Red Bull Bragantino, em Bragança Paulista (SP).

Desfalques nessa quinta

Nesta quarta, foi a vez do Vasco sofrer uma baixa em razão do novo coronavírus. O time carioca não poderá contar com o meia Bruno César, diagnosticado com a doença, no jogo de estreia da equipe carioca na competição nacional, nesta quinta-feira, contra o Sport.

CBF enrijece protocolos

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) vai atualizar em breve a diretriz médica de recomendação de cuidados com o novo coronavírus. A grande quantidade de casos positivos da doença logo nos primeiros dias de disputa do Campeonato Brasileiro levou a entidade a procurar a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) para acrescentar informações ao conteúdo.

A partir de sexta-feira, jogadores com casos positivos de Covid-19 poderão ser escalados depois de cumprirem 10 dias de isolamento se estiverem assintomáticos. Os clubes, ainda segundo nota da CBF, serão obrigados a realizar testagens a cada 72 horas independente dos atletas selecionados para as respectivas partidas.

A atualização firmada se baseia em um estudo publicado no final de julho pelo Centro de Controle e Prevenção de Doença (CDC, na sigla em inglês), dos Estados Unidos. O material de 17 páginas traz a recomendação da chamada “Regra dos dez dias”. Em uma das correspondências trocadas entre CBF e SBI está a explicação de como deve se proceder a nova conduta.

“Atleta que testou PCR positivo pela primeira vez dia 1.º de agosto deverá cumprir 10 dias de isolamento respiratório. Portanto do dia 1.º ao dia 10 de agosto deverá permanecer em isolamento respiratório e poderá voltar a jogar dia 11 de agosto”, disse o texto.

Pelo novo entendimento adotado, o jogador que cumprir a “Regra dos dez dias” estará livre de realizar os exames de PCR pelos três próximos meses. Os exames para detecção da doença vão continuar a ser realizados três dias antes dos jogos das Séries A e B e com quatro dias de antecedência para partidas da Série C A diferença se explica por questão logística, já que no geral os times de divisões inferiores estão em cidades menores e com menos estrutura laboratorial.

Preocupada com o excesso de casos, a CBF tem feito até duas reuniões por dia com a SBI para aprimorar a diretriz médica lançada antes do Brasileirão. A entidade entende que mais outras atualizações possam ser necessárias por se tratar de uma doença nova e com várias pesquisas e resultados em andamento.

Sindicato confirma que pretende pedir a suspensão do campeonato

Em entrevista concedida na tarde desta quarta-feira, o presidente do Sindicato dos Atletas Profissionais de São Paulo, alerta que se a CBF precisa melhorar o protocolo.

“Não resta outra alternativa a não se buscar à Justiça para paralisar o brasileirão”, explicou o presidente do Sindicato dos Atletas Profissionais de São Paulo, em entrevista concedida ao canal Fox Sports.

Confira a lista de clubes que registraram atletas infectados:

SÉRIE A

  • Goiás – 10 jogadores
  • Atlético Goianiense – 6 jogadores
  • Botafogo – 2 jogadores
  • Corinthians – 2 jogadores
  • Vasco – 1 jogador

SÉRIE B

  • CSA – 18 jogadores

SÉRIE C

  • Imperatriz-MA – 12 jogadores
  • Vila Nova – 2 jogadores
  • Brusque – 1 jogador
  • São Bento – 1 jogador
+

Futebol Brasileiro