Fábio Machado

Rotina, contratações e análise dos jogos dos clubes catarinenses. A história do futebol no Estado é resgatada com postagens que relembram os títulos e jogadores que marcaram Santa Catarina.


Na onda do sucesso do Jorge Jesus, mas com dirigentes bem brasileiros

Como passe de mágica, dirigentes do futebol brasileiro passaram a apostar fichas em treinadores estrangeiros, só que estes mesmo dirigentes não perderam uma mania bem característica do nosso futebol.

O Português Augusto Inácio, passagem apagada no Avaí – Foto: Gabriel Lain/ND

Qual as semelhanças das demissões dos treinador português Augusto Inácio do Avaí após 7 jogos, do venezuelano Dudamel do Atlético-Mg após 10 jogos e do também português, Jesualdo Ferreira após a eliminação do Santos das finais do campeonato paulista? A resposta é muito simples: esses treinadores estrangeiros foram contratados na onda do sucesso do Jorge Jesus no Flamengo. Contrataram, mas não tiveram paciência para que o trabalho se entendesse, fosse apurado e dilapidado pelo tempo. Ou seja, os dirigentes apostaram em treinadores estrangeiros, mas no fim das contas agiram como dirigentes brasileiros, mesmo. Sem paciência, queriam o milagre do resultado positivo para ontem. O Flamengo, não custa lembrar e sem tirar o mérito do Jorge Jesus, não surgiu como vencedor da noite para o dia. Foi o resultado de um processo de algumas temporadas. Mas a grande maioria dos nossos dirigentes não entendem isso – ou não querem entender.