Após protesto da torcida, dois novos reforços são apresentados no Avaí

Zagueiro Célio Santos e volante Rafinha encerram ciclo de contratações do Leão para início de temporada

Após o protesto da torcida, que pediu a renúncia do presidente Nilton Macedo Machado e do vice José Francisco Battistotti, dois novos reforços foram apresentados no auditório da Ressacada. O zagueiro Célio Santos, que estava no Al-Shaab, dos Emirados Árabes, e o volante Rafinha, ex-Fluminense, chegaram a fim de mostrar serviço e devem encerrar o ciclo de contratações do Leão para este início de temporada.  

Matheus Joffre/ND

Dupla foi apresentada pelo diretor de futebol Marcelo Gonçalves

Célio Santos chega para trazer experiência à zaga azurra. O defensor de 28 anos foi formado no Ferroviário-CE e teve passagens por Ponte Preta-SP, São Bento-SP, Vila Aurora-MT, Cascavel-PR, Guizaou Renhe-CHI, Belenenses-POR, FC Dacia-MOL, SC Tavriya-UCR, Astra Giurgiu-ROM, TRactor Club-IRA e Al-Shaab-EAU.

“Agradeço ao Avaí pela oportunidade de voltar ao Brasil. Posso trazer experiência, principalmente na defesa, por ter jogado com vários treinadores, esquemas táticos. E espero ajudar o Avaí a sair dessa situação”, afirmou o zagueiro, que aproveitou a presença de membros da torcida organizada para fazer uma média com os torcedores. “Pesquisei bastante sobre o clube, a torcida. Nos Emirados Árabes não tem esse calor da torcida, que a gente acaba sentindo falta”, contou o defensor que ainda aguarda a chegada da documentação, que vem do exterior, para ser regularizado.

Já Rafinha, que joga como segundo volante, é formado na base do Fluminense – seu único clube até então. O jogador de 22 anos veio em busca de novos ares na Ressacada, onde espera ter mais oportunidades.

“É um novo desafio. Vim para o Avaí dar o meu melhor, dar alegria a essa torcida. Gosto de chegar muito na frente. E de marcar também, na raça. Não gosto de perder nenhuma bola, dou a vida mesmo para ajudar meus companheiros.  Quero abraçar o clube”, ressaltou o volante que deve disputar posição com o João Filipe, com quem jogou no Flu na última temporada. “Vai ser uma briga sadia. O João Filipe é um irmão para mim. Conheci ele no Fluminense, no ano passado, e com certeza ele vai dar o melhor dele e eu vou dar o meu melhor. A gente vai jogar essa bomba na mão do professor. Mas se for eu, ele ou os dois juntos, tenho certeza que vamos dar nosso melhor”, garantiu.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Avaí

Loading...