“Daqui 50 anos lembrarão do que está acontecendo”, disse Danilo antes de morrer

Ex-goleiro da Chapecoense, vítima do trágico acidente com o voo da LaMia, deu última entrevista ao comentarista esportivo Sérgio Badalotti antes de viajar à Colômbia

“Daqui 50 anos as pessoas vão lembrar de tudo que está acontecendo no clube”, disse o ex-goleiro da Chapecoense, Danilo, em sua última entrevista na Arena Condá, em novembro de 2016. Danilo, que era ídolo da torcida alviverde, foi entrevistado pelo comentarista esportivo da NDTV, Sérgio Badalotti, em frente a trave em que defendeu o último gol, aos 48 minutos do segundo tempo, na semifinal contra o San Lorenzo, no dia 23 de novembro.

Bada conversou com o ex-goleiro sobre a conquista da vaga na final da Copa Sul-Americana e o bom momento que ele e o clube viviam. O jogo, contra o Atlético Nacional, na Colômbia, estava marcado para o dia 30 de novembro de 2016.

Porém, no dia 29 de novembro de 2016, às 21h59, no horário da Colômbia, – 02h58 no horário de Brasília – um acidente fatídico impediu que a bola rolasse. Danilo e outras 70 pessoas morreram após o avião em que estavam cair em Medellín. O grave acidente causou comoção internacional.

Grande momento

“É um grande momento.  O melhor da minha carreira, do clube e da cidade. Temos que curtir, mas começar a se concentrar e focar na final. Na final tudo pode acontecer. Nós não chegamos por acaso. As chances de sermos campões são muito grandes”, disse Danilo durante a entrevista.

Bada questionou o ex-goleiro sobre a defesa histórica que levou o time à final da Sul-Americana.

Danilo foi um dos destaques na semifinal da Sul-Americana, em jogo na Arena Condá, em Chapeco. – Foto: Diego CarvalhoDanilo foi um dos destaques na semifinal da Sul-Americana, em jogo na Arena Condá, em Chapeco. – Foto: Diego Carvalho

“Foi um lance muito rápido, praticamente o último do jogo.  A bola sobrou para o zagueiro no bate e rebate. Se ele capricha um pouquinho ele ia fazer o gol, porque estava muito próximo. Graças a Deus ele chutou fraco e no meu raio de ação. Se fosse um pouco para o lado eu não ia conseguir fazer a defesa e injustamente nós não iríamos para a final. Porque fizemos por merecer estar na final. Foi muito justa a nossa classificação”, acrescentou o ex-jogador.

Por estar no auge de sua carreira, Danilo foi sondado por muitos clubes, mas tinha o desejo de permanecer na Chapecoense. “Tenho mais dois anos de contrato. Estou com a minha cabeça boa, pensando só na final. Não sei dizer o que me tiraria da Chapecoense. Estou muito feliz aqui e minha família também e isso conta muito para mim”, afirmou.

Um presente especial

Antes da entrevistar terminar, Danilo recebeu das mãos de Bada um presente de uma torcedora fanática. Iracema Badalotti, mãe do comentarista, enviou um bilhete com um rosário. Para Danilo, o carinho das pessoas servia de motivação, principalmente o das crianças.

Veja abaixo o que dizia o bilhete:

“Querido amigo, Danilo! Que esta pequena cruz te ajude a vencer as dificuldades da sua vida. Um carinhoso beijo e um grande abraço também para sua família” (Iracema Badalotti)

Quatro anos do adeus

O avião da empresa LaMia, que levava a equipe completa da Chapecoense, jornalistas e convidados, caiu em Medellín. Foram 71 vítimas fatais e seis sobreviventes, entre eles os jogadores Neto, Alan Ruschel, Jakson Follmann e o jornalista Rafael Henzel, que morreu em março de 2019, em Chapecó, após um mal súbito durante uma partida de futebol. Além dos quatro sobreviventes brasileiros, os tripulantes Ximena Suárez e Erwim Tumiri.

Neste domingo (29), a tragédia que comoveu o mundo completa quatro anos de saudade.

Chapecó – SC -Presidente Michel Temer duranteCerimônia em Homenagem às Vítimas do Acidente com Avião da Chapecoense ( Beto Barata/PR)Chapecó – SC -Presidente Michel Temer duranteCerimônia em Homenagem às Vítimas do Acidente com Avião da Chapecoense ( Beto Barata/PR)

Acesse e receba notícias de Chapecó e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Chapecoense