Operação do Gaeco faz buscas na casa do ex-presidente da Chapecoense

Por volta das 8h50, Maninho deixou a casa em uma viatura do Gaeco

O Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) realiza buscas na casa do ex-presidente da Chapecoense, Plínio David De Nes Filho, o Maninho, nesta manhã de quinta-feira (19), em Chapecó, no Oeste Catarinense. Por volta das 8h50, Maninho deixou a casa em uma viatura do Gaeco.

Operação do Gaeco faz buscas na casa do ex-presidente da Chapecoense – Foto: Ministério Público de SC/NDOperação do Gaeco faz buscas na casa do ex-presidente da Chapecoense – Foto: Ministério Público de SC/ND

Informações indicam que a ação busca coletar documentos envolvendo as contas do clube entre 2016 e 2019, período em que Maninho presidiu o clube. Na casa do ex-presidente, que fica no bairro Maria Goretti, perto da Arena Condá, a movimentação de agentes do Gaeco foi intensa desde o início da manhã. Ao menos três viaturas descaracterizadas estão na frente da residência de muros altos.

Nove mandados de Busca e Apreensão estão sendo cumpridos nas cidades de Chapecó, São Miguel do Oeste, Balneário Camboriú, em Santa Catarina, e também em Campinas e Valinhos, em São Paulo.

Os fatos são apurados em PIC (Procedimento Investigatório Criminal instaurado na 11ª Promotoria de Justiça da Comarca de Chapecó, que visa apurar a ocorrência de possíveis crimes de furto qualificado, apropriação indébita, falsidade ideológica e organização criminosa praticados, em tese, entre janeiro de 2017 e dezembro de 2019. A investigação tramita em sigilo.

Entenda o caso

Plinio David De Nes Filho, era presidente do Conselho Deliberativo, assumiu a cadeira presidencial pela primeira vez em dezembro de 2016, duas semanas depois do acidente aéreo que vitimou o mandatário Sandro Pallaoro e dezenas de funcionários e atletas do clube. Em 2018, Maninho foi reeleito com a chapa “Juntos Pela Chape”.

O empresário permaneceu no cargo de 16 de dezembro de 2016, quando foi eleito pela primeira vez, a 1º de novembro de 2019, quando renunciou à presidência.

Arena Condá – Foto: Leandro Schmidt/PMC/NDArena Condá – Foto: Leandro Schmidt/PMC/ND

Maninho pediu afastamento alegando problemas de saúde. Ele deveria ter retornado ao posto dias depois, mas, contestado pela torcida e membros da diretoria pelos maus resultados e pelos problemas financeiros que o clube atravessa, optou por deixar o cargo.

Em fevereiro deste ano, a diretoria da Chapecoense informou que o clube acumula dívidas de mais de R$ 100 milhões e vê sua existência em risco. Não à toa, os cartolas do clube foram à Justiça e entraram com um pedido de recuperação judicial para a instituição.

A reportagem tenta contato com a defesa do ex-presidente do clube.

Clube se pronuncia

No início da tarde desta quinta-feira, a Chapecoense se pronunciou oficialmente sobre o caso.

Veja a nota na íntegra:

A Associação Chapecoense de Futebol, em nome da sua diretoria, vem a público a fim de informar que está acompanhando de perto todos os desdobramentos acerca da “Operação 4 linhas” e que se habilitará no processo a fim de ter acesso a maiores informações. 

Além disso, o clube respalda o trabalho realizado pelos conselheiros que deram início a esse procedimento, reforça a sua confiança e o seu apoio à justiça e se compromete a oferecer todo o suporte e apoio às investigações. 

Tão logo as tramitações avancem e as investigações sejam concluídas, a instituição alviverde emitirá juízo sobre quais providências serão tomadas.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Chapecoense

Loading...