Escudo: Figueirense
FIG Figueirense
Escudo: Brasil de Pelotas
GEB Brasil de Pelotas
Orlando Scarpelli - 15/01/2021 às 17h30

Figueirense despacha o Brasil-RS e dorme fora do Z4 da Série B

Figueirense, em grande atuação no primeiro tempo, fez o placar e administrou nos últimos 45 minutos; time agora seca Paraná Clube, Náutico e Vitória para ficar fora da zona da degola

O Figueirense recebeu o Brasil-RS e não tomou conhecimento do adversário: 3 a 0 construído em 45 minutos de jogo. O duelo, no final da tarde abafada de sexta-feira (15), em Florianópolis, foi favorável ao alvinegro que, com os três pontos, vai iniciar o final de semana fora do Z4 da Série B.

O Furacão do Estreito, que se deu ao luxo de desperdiçar um caminhão de gols na segunda etapa, “seca” o Paraná, o Vitória e o Náutico que, respectivamente, ainda jogam na rodada 35 da competição.

Itinga, abraçado pelos companheiros, abriu o caminho da vitória do Figueirense sobre o Brasil. – Foto: R.Pierre/Agif/Série B/divulgaçãoItinga, abraçado pelos companheiros, abriu o caminho da vitória do Figueirense sobre o Brasil. – Foto: R.Pierre/Agif/Série B/divulgação

História do jogo

O Figueirense tinha a obrigação de vencer. Afora toda a variável de um jogo ou qualquer modalidade em disputa, as partes envolvidas sabem que podem vencer, empatar ou perder.

Para o Furacão do Estreito não havia outro verbo a não ser o da vitória.

Tamanha obrigação, somada ao mau desempenho da equipe nos últimos jogos – duas derrotas e um empate – deu ao técnico Jorginho a necessidade de trocas na equipe.

Everton Santos, já na condição de lateral-direito de Jorginho, desde a sua chegada, retomou a posição. Geovane e Patrick, recuperados de lesão, também foram colocados na equipe titular.

Se do lado do time da casa a vitória era necessária, para o visitante,  nem tanto. Em situação tranquila na tabela o Brasil já havia dado o ritmo de próxima temporada uma vez que, com 47 pontos, não tinha riscos a sofrer e objetivos a consolidar.

Primeiro tempo de luxo

Foi de luxo a apresentação do Figueirense nos primeiros 45 minutos. Senão no que diz respeito a qualidade do que foi apresentado, o que foi consolidado.

Apesar de um início meio truncado na partida o time da casa, mais disposto não demorou a abrir o placar. Aos 19’ no cronômetro, inclusive, o time de Jorginho já tinha finalizado no travessão, com Bruno Michel.

O tento veio com Geovane Itinga, pela primeira vez com a camisa alvinegra: Dudu recebeu na entrada da área onde, do lado da meia-lua, arriscou a pancada. O goleiro Rafael deu rebote para o meio onde Itinga, ligado, mandou para rede.

O Figueirense até “ameaçou” se encolher e deu a bola para o Brasil-RS. Além de não saber o que fazer, deixou espaço para o ataque do Figueirense que, dessa vez, aproveitou.

Lançamento primoroso do capitão e volante Patrick para Everton Santos, na linha de fundo, rolar para Dudu, na risca da pequena área espetar para a rede. Gol e muita festa do representante alvinegro.

Se dois já estava bom, antes do término da primeira etapa ficou ainda melhor. Diego Gonçalves recebeu no lado direito onde tentou o cruzamento na área: a bola parou no braço de Leandro Camilo que dera o carrinho para cortar. Pênalti.

Dois segundos antes da marca dos 48, Diego Gonçalves bateu firme, sem chance para Rafael. 3 a 0 e alívio do tamanho da torcida alvinegra.

Segundo tempo começou podendo terminar

A segunda etapa, como esperado, foi momento de assegurar os três pontos. O Figueirense, no entanto, perdeu de abrir uma goleada histórica sobre o Brasil.

Foram, pelo menos, três chances claras de gol onde o ataque do Furacão desperdiçou: Itinga, em duas oportunidades, parou em Rafael. Diego Gonçalves, em jogada individual, também parou no goleiro Xavante.

Jorginho aproveitou para oxigenar a equipe. Usou e abusou as cinco trocas e explorou o elenco, sobretudo, para colocar nas vagas dos que recém voltaram de lesão: Geovane, Patrick e Everton Santos.

Apesar das tentativas o resultado se manteve inalterado.

Secador ligado

O Figueirense, com sua missão cumprida, usa o “secador” na rodada. Nesta sexta-feira o Paraná Clube joga contra o Sampaio Corrêa. No domingo outros dois “rivais”: o Náutico contra a Ponte Preta, em Campinas, além do Vitória contra a Chapecoense.

Próxima parada

O Figueirense joga contra o CRB, em Alagoas, já na próxima terça-feira (19), às 19h15. O Xavante, mais cedo, recebe o América-MG no estádio Bento Freitas.

FICHA TÉCNICA

Figueirense: Rodolfo Castro; Everton Santos (Alecsandro), Guilherme Thiago (Alemão), Vitor Mendes e Renan Luís; Patrick (Matheus Neris), Geovane (Arouca) e Dudu (Jhonatan); Bruno Michel, Diego Gonçalves e Itinga (Lucas Barcelos). Técnico: Jorginho.

Brasil: Rafael Martins; Felipe (Rodrigo), Leandro Camilo, Diego Ivo e Bruno Santos (Matheus Mendes); Sousa (Gustavo), Bruno José, Rafael Vini e Matheus Oliveira; Wellisol (Pablo) e Dellatorre (Léo Ferraz). Técnico: Cláudio Tencatti.

Gols: Itinga (19/1T), Dudu (29/1T), Diego Gonçalves (47/1T).

Cartões amarelos: Dudu (FIG); Leandro Camilo, Gustavo (BRA)

Local: estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis (SC). Data: 15/01/20. Hora: 17h30.

Arbitragem: Jefferson Ferreira de Moraes (GO); auxiliado por Cristhian Passos Sorence (GO) e Leone Carvalho Rocha (GO).

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo

Lances da partida

+

Figueirense