Fábio Machado

Rotina, contratações e análise dos jogos dos clubes catarinenses. A história do futebol no Estado é resgatada com postagens que relembram os títulos e jogadores que marcaram Santa Catarina.


Figueirense e a parceria: muitas perguntas e respostas (algumas nem tão respondidas…)

Tire as suas dúvidas sobre o atual momento do Figueirense e sobre a reunião do Conselho Deliberativo.

Muitas promessas e um “novo tempo” para o Figueirense! Essa foi a tônica da reunião do Conselho Deliberativo do clube nessa segunda (31) à noite no memorial do clube nas dependências do estádio Orlando Scarpelli. Fora, na rua, muitos protestos e faixas como “Conselho Omisso” e “Fora Wilfredo”.

Aqui algumas perguntas e respostas (algumas evasivas) sobre o tema:

Quais as promessas feitas para os conselheiros em relação aos objetivos do clube?

*Aporte financeiro para sanar parte da dívida do clube – hoje em R$ 70 milhões.

 *Retorno para a série A do ano que vem.

* Participação na Libertadores em 2022.

* Promessa de título nacional; Libertadores; três classificações para a sulamericana ou Libertadores.

-*A construção da Arena Figueirense (ah, aqui um filme visto e revisto!)

E quais as contrapartidas dos investidores para todo esse investimento?

-Participação nos ativos e gerenciamento de toda parte do futebol.

E como fica a situação do presidente Wilfredo Brilliger?

– No conselho dos novos gestores, teria uma cadeira, porém sem o poder de decisão.

E quanto a sua situação como presidente?

– Permanece até o fim do seu mandato.

E o dinheiro vem de onde? Quem são os investidores?

– Ninguém sabe ninguém disse – é um mistério!

Quem está conduzindo esse processo?

– Desembargador João Henrique Blasi.

Quem representa esse fundo de investidores?

– O advogado Cláudio Vernalha.

Quem seria o CEO do clube nessas mudanças?

– Alexandre Bourgeois, que segundo informações não estava na reunião (perdeu o voo!). Uma rápida pesquisa mostra que ele está processando o São Paulo, após ter sido demitido em apenas três meses por não ter sido ouvido sobre mudanças na forma de conduzir o clube paulita. Fonte:   https://www.terra.com.br/esportes/lance/ex-ceo-pretende-cobrar-r-13-milhao-do-sao-paulo-na-justica,d7090fd2f1b184fae12ddecb0ffd96917tfs5h0v.html

A reunião foi “tranquila”? Ocorreram divergências?

–  A reunião ocorreu de forma tranquila (muito power point, slides), até o momento em que os representantes (ou defensores) da parceria e do projeto insistiram para que fosse aprovado imediatamente – sem ressalvas. Nesse momento, conselheiros “mais jovens” protestaram e questionaram a necessidade da aprovação em outra reunião para – com calma -, analisar os pontos.

Quando será essa reunião?

– Dia 10 de agosto.

Mas o twitter do Figueirense já publicou sobre a aprovação?

– Não está errado. Foi aprovado, faltando “a assinatura” do Conselho Fiscal.

Alguém dúvida da rejeição do CF?

– Não. Será aprovado.

Por que dentre tantos clubes do Brasil, exatamente o Figueirense foi o escolhido para esse projeto?

– É uma pergunta sem respostas. Pelas movimentações de bastidores, os investidores é que foram procurados para “salvar” o Figueirense que conforme dito pelo Nicolau Haviaras, presidente do Conselho Deliberativo  em coletiva após a reunião “ ajudaria o Figueirense a quitar os seu passivos ”. Resumindo: o clube está quebrado.

A SPE aprovada há dois anos no Figueirense previa esse tipo de parceria?

– Sim, no próprio estatuto da SPE “grupo de investidores para a transferência da atividade de futebol, visando a fazer frente ao déficit financeiro atual, quitar os passivos, programar gestão profissional, nos termos das premissas já aprovadas pelo próprio…”

 

                                                                                                                                                   OPINIÃO

A minha opinião sobre esse assunto permanece a mesma. É preciso responsabilidade de quem emite a noticia (a vontade dar o furo!) e de quem está envolvido no processo: diretoria, conselho deliberativo e torcida.

Como escrevi ou comentei nos veículos que trabalho no Grupo RIC Record . O projeto é bom para o clube? Então que seja apresentado de forma “transparente” sem as chamadas “letras miúdas”. É simples assim. Coloquem  em discussão todos os pontos, tirem todas as dúvidas. Um passo titubeante nesse caminho põe em risco a credibilidade e traz desconfianças. São vinte anos de uma história quase centenária que está sendo colocada em discussão – o futuro pode ser promissor como pode trazer mais decepções.

Se o bem é a instituição, por que não jogar de forma clara? Isso traz confiança para o processo/projeto e indica que a principal peça da engrenagem não seja esquecida: o torcedor alvinegro.

Figueirense decide o seu futuro. - Figueirense 90 anos/reprodução
Figueirense decide o seu futuro. – Figueirense 90 anos/reprodução