Figueirense perde para o Joinville por 2 a 1 na primeira final

Alvinegro saiu atrás e empatou com golaço de Éverton Santos. Falha da defesa determinou revés fora de casa

Sem Marcos Assunção e Ricardo Bueno, o Figueirense perdeu para o Joinville por 2 a 1 na tarde deste domingo (6), na Arena Joinville, pela primeira partida das finais do Catarinense 2014. O alvinegro saiu atrás no placar. Saci acertou o canto esquerdo de Volpi cobrando falta no último lance do primeiro tempo. Éverton Santos voltou a marcar em jogos decisivos empatando logo no início do segundo tempo: um golaço. Mas uma falha da defesa alvinegra em jogada área determinou a derrota. Edigar Junio, de cabeça, fez 2 a 1. Com o resultado, o time de Florianópolis vai para a grande final, no próximo domingo, precisando vencer, independentemente do placar. O JEC joga pelo empate.

:: Os principais lances do jogo no tempo real do ND Esportes Lance!Net

:: Éverton Santos diz que atitudes do amigo Saci são “estranhas”

:: Eutrópio elogia Luan e Maranhão: “Guerreiros”

:: Veja galeria de fotos

Marco Santiago/ND

Éverton Santos matou no peito duas vezes e fuzilou. Ao fundo, Maranhão com a bola dentro do gol 

O Figueirense entrou em campo sem dois destaques do time. A ausência do volante Marcos Assunção não foi uma grande surpresa. Dúvida durante toda a semana por causa de lesão muscular na perna direita, o jogador mostrou que realmente não iria para a final ao descer mancando do ônibus na chegada ao estádio. Já o desfalque do atacante Ricardo Bueno surpreendeu. O jogador havia sido poupado do treino de sábado, mas o Figueirense conseguiu esconder o problema até a hora do jogo. Com isso, Luan entrou no meio-de-campo e Lúcio Maranhão no ataque.

No Joinville, o técnico Hemerson Maria escalou Juliano na defesa, deslocando o lateral Wellington Saci para o meio. O JEC começou a partida encurtando os espaços. Mas a pressão não se traduziu em chances de gol. Aos seis minutos saiu a primeira e praticamente única defesa do goleiro alvinegro Thiago Volpi na etapa. Em cobrança ensaiada de escanteio, Saci recebeu na meia direita, disfarçou olhando para a área e bateu direto a gol, com veneno. Volpi recuou e tocou para a linha de fundo.

Apesar da escassez de lances de gol, o ritmo de jogo foi intenso no primeiro tempo, com marcação dura dos dois lados, roubadas de bola e lances de recuperação. Não muito bonito de ser ver, mas o clima de decisão compensava. Com o zagueiro Nirley como xerifão da defesa, o Figueira suportou bem a pressão inicial e passou a jogar com mais espaço a partir dos 15 minutos, quando o Joinville recuou a marcação, deixando o alvinegro trocar passes no campo de defesa.

Em alguns momentos, no entanto, a intensidade do jogo degenerou em antijogo. A etapa inicial teve 21 faltas. Aconteceram entradas desleais e duas ou três agressões puras. Jogadores dos dois lados abriram a caixa de ferramentas. Saci deu com o braço no rosto do lateral-direito Leandro Silva e trocou xingamentos com o técnico Vinícius Eutrópio. O volante Nem entrou feio de sola no também volante Naldo, que revidou com soco na perna do adversário.

Já era o fim do primeiro tempo e os atletas pareciam realmente ter esquecido qual o objetivo do jogo quando o zagueiro Thiago Heleno segurou o atacante Jael pela camisa, dentro da meia-lua da grande área. Jael caiu, o árbitro apitou falta e Saci cobrou. A bola encobriu a barreira e morreu no canto esquerdo de Volpi, que chegou atrasado. Gol do Joinville no último lance. Gol do ex-alvinegro Saci, vilão e carrasco do Figueira na etapa.

O segundo tempo começou com a torcida do Joinville ainda empolgada. Mas a alegria acabou logo aos quatro minutos. Em jogada pela esquerda, o atacante Éverton Santos tocou para o meia Giovanni Augusto, que mandou de volta, por cima da defesa. Éverton matou duas vezes no peito antes de chutar forte, de canhota, no alto, marcando um belo gol.

Além de acabar com a alegria da torcida tricolor, o empate abalou o JEC, que ainda levou outro golpe aos 16. Jael, que estava pendurado, recebeu o terceiro cartão amarelo e virou desfalque para a finalíssima. Tudo conspirava a favor do Figueira. Só que aos 29, num momento de distração coletiva, Edigar Junio apareceu livre entre Nirley e Thiago Heleno e mandou de cabeça para fazer 2 a 1 para o Joinville.

Com o placar novamente a seu favor, o JEC tomou a iniciativa do jogo nos 15 minutos finais. Aos 33, Francis quase fez o terceiro em chute cruzado da direita. Volpi, com mão de ferro, fez a defesa. A pressão tricolor, no entanto, não alterou o placar.

JOINVILLE (2)
Ivan; Franco, Bruno Aguiar (Tiago Medeiros), Juliano e Bruno Costa; Naldo, Marcelo Costa e Tartá (Francis); Wellington Saci (Hygor), Edigar Junio e Jael. Técnico: Hemerson Maria.

FIGUEIRENSE (1)
Tiago Volpi; Leandro Silva, Nirley, Tiago Heleno e Marquinhos Pedroso; Nem, Luan e Giovanni Augusto (Vitor Júnior); Dudu (Léo Lisboa), Everton Santos e Lúcio Maranhão (Clayton). Técnico: Vinícius Eutrópio.

Gols: Wellington Saci, aos 47 do primeiro tempo; Éverton Santos, aos quatro, e Edigar Junio, aos 29 do segundo tempo. Cartões amarelos: Naldo, Franco, Jael, Tartá e Hygor (J); Giovanni Augusto, Nem, Nirley, Leandro Silva e Vitor Júnior (F). Cartão vermelho: Jael. Local: Arena Joinville, em Joinville. Arbitragem: Bráulio da Silva Machado, auxiliado por Helton Nunes e Angelo Rudimar Bechi. Público pagante: 17.087. Renda: R$ 359.770.

:: Enquete: Quem será o campeão catarinense 2014? 

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Figueirense

Loading...