Presidente do Conselho Deliberativo também é diretor de empresa credora do Figueira

 

Marco Santiago/ND

júlio gonçalves presidente conselho deliberativo figueirense

Presidente Júlio Gonçalves é favorável à manutenção da parceria com a Alliance

No rastro da renúncia do pre­sidente Nestor Lodetti, o Figuei­rense segue em busca de um norte que o tire da situação complicada que se encontra dentro e, prin­cipalmente, fora de campo. No leme está Odorico Durieux, acom­panhado do Comitê de Transição. Entre uma reunião e outra, bus­cam soluções para sanar a dívida do clube, definir as condições para a parceria com a Alliance Sports e mudar de vez a cara da gestão do clube, quem sabe com um novo estatuto ou uma nova representa­ção do Conselho Deliberativo.

Nas palavras do advogado Rodrigo Titericz, porta-voz do Comitê, “não podemos dizer nada, no momento. Alguns le­vantamentos estão sendo feitos e estamos tendo o maior cuidado para não errar desta vez.” Então resta esperar? “Pelo menos até semana que vem”, cortou.

Com Lodetti fora, as luzes caem sobre Júlio Gonçalves. O presidente do Conselho Delibera­tivo admitiu na terça-feira que o contrato firmado com a Alliance, que destina 20 % da receita bruta do clube à empresa, foi firmado em 2010 sem consentimento do Conselho que ele próprio repre­senta. As receitas dos dois primei­ros anos chegaram à R$ 40 mi­lhões. Logo, R$ 8 milhões iriam direto para os cofres da parceira.

Mas este valor não foi pago e, segundo o diretor-executivo da Alliance, Leonardo Moura, foi uma dívida perdoada. Talvez compensado pelos empréstimos feitos e admitidos pela empre­sa em nome do clube, com aval de Lodetti e Gonçalves. E as dívidas foram se avolumando até ultrapassarem a casa dos R$ 20 milhões.

Um dos credores é a Unicred, empresa em que Júlio Gonçalves ocupa o cargo de diretor admi­nistrativo. Um conflito de inte­resse difícil de explicar. Tanto Júlio Gonçalves, quanto Odori­co Durieux revelaram que ficam nos respectivos cargos até a re­solução do novo contrato com a Alliance e a elaboração do novo estatuto. Até lá, a barca alvine­gra segue buscando o norte, an­tes que naufrague de uma vez.

Entenda o caso

– Contrato entre Figueirense e Alliance Sports é firmado em 2010. Conselho Deliberativo não toma conhecimento, apenas alguns conselheiros. Entre eles, o ex-presidente Nestor Lodetti e Júlio Gonçalves.

– Contrato destinava 20 % da receita bruta aos cofres da Alliance Sports. Oequivalente à R$ 8 milhões ao final de 2011. Valor que seria perdoado pela Alliance Sports.

– O contrato firmado permitia à parceira solicitar empréstimos em nome do clube.

– O presidente do Conselho Deliberativo, Julio Gonçalves, é diretor administrativo da Unicred, uma das credoras.

– O Comitê de Transição busca acerto de novo contrato com a Alliance, ao mesmo tempo que projeta um novo estatuto. Todos teriam que passar pela aprovação do Conselho.

– A dívida do clube supera os R$ 20 milhões.

Acesse e receba notícias da Grande Florianópolis pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Figueirense