Drika Evarini

adrieli.evarini@ndmais.com.br Opinião, novidades, contratações e bastidores do esporte joinvilense e muito mais. Apaixonada por futebol, basquete, futsal e tudo que envolve o mundo do esporte, está sempre atenta a tudo que acontece dentro e fora dos campos e das quadras.


Com emoção e a estrela de Rafael Pascoal, JEC consegue classificação épica na Arena

Nos pênaltis, com três cobranças defendidas por Rafael Pascoal, Tricolor crava seu lugar nas oitavas de final da Série D

“Se não for com emoção, não é JEC”. Volta e meia a torcida resgata essa frase, mas neste sábado (18), não precisava ter sido com tanta emoção assim. Gol contra, pênaltis. Todos os elementos que colocaram à prova o coração do torcedor tricolor.

Rafael Pascoal brilhou, defendeu três cobranças e garantiu a classificação tricolor – Foto: Vitor Forcellini/JEC/Divulgação/NDRafael Pascoal brilhou, defendeu três cobranças e garantiu a classificação tricolor – Foto: Vitor Forcellini/JEC/Divulgação/ND

Foram 90 minutos de tensão e outras 14 cobranças de pênaltis até que toda uma cidade pudesse respirar aliviada. O JEC continua invicto, eliminou o Bangu com 1 a 1 no tempo normal e 4 a 3 na cobrança de pênaltis e colocou subiu mais um degrau rumo à Série C.

O brilho de Rafael Pascoal ofuscou a garra do time carioca, que lutou, mas parou em um paredão sólido, inabalável e que colocou o JEC nas oitavas de final da Série D.

Em jogo pegado, a estrela de Leandro Zago iluminou o talento de Thiago Juan. Foi dos pés do garoto de 20 anos que entrou no intervalo da partida o gol que abriu o placar na Arena Joinville e tirou um peso que estava rondando o estádio joinvilense. Com o placar favorável e o Tricolor buscando mais o gol, o balde de água fria veio justamente da solidez defensiva. Em bola cruzada pela direita, Fernando tentou cortar, matou Rafael Pascoal e marcou contra.

O peso que havia sido tirado por um garoto, foi recolocado no time, na Arena, em cada torcedor que estava ouvindo ou assistindo o jogo. Com o empate, o Bangu cresceu e buscou – e muito – o gol da vitória, mas a força e união do time mantiveram o placar. A postura de encarar cada jogo como uma decisão, se fez presente mais uma vez. Zago lançou o time ao ataque e, apesar de não conseguir ser eficiente, buscou o gol e a vitória a todo momento.

Thiago Juan entrou no intervalo e marcou o gol tricolor – Foto: Vitor Forcellini/JEC/Divulgação/NDThiago Juan entrou no intervalo e marcou o gol tricolor – Foto: Vitor Forcellini/JEC/Divulgação/ND

Quando o apito final soou, tensão, nervosismo e um filme na cabeça de cada torcedor. Cada Série D que ficou para trás, cada derrota do passado, cada eliminação e cada choro da decepção rondou a memória do torcedor, mas dentro de campo, o filme que passou na cabeça dos jogadores, certamente foi de cada vitória, cada treino debaixo de sol e chuva e cada ponto conquistado em uma campanha invicta.

E aí brilhou a estrela, a frieza e a segurança de Rafael Pascoal. O goleiro fechou o gol, defendeu três cobranças, contou com a ajuda da trave e devolveu a respiração e o batimento cardíaco de uma nação tricolor inteira.

Fernando e Renan Castro pararam no goleiro do Bangu. Alison isolou a cobrança. Tadeu, Caio Monteiro, Junior Fialho e Uelber explodiram suas cobranças na rede do time carioca.

O torcedor tricolor está acostumado a emoções e o que viu na tarde deste sábado foi, mais uma vez, aquela linha tênue entre o sucesso e o fracasso, entre a glória e a ruína de um projeto sólido, bem construído dentro e fora de campo.

Mas, o que o torcedor também viu foi um time que luta até o fim e que tem estrelas brilhando para fazer toda a nação, junta, subir degrau após degrau. Mais um acima, mais um superado. A Série C é logo ali.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...