Com pênalti perdido, JEC fica no empate com o Novorizontino na estreia da série D

Cumprindo promessa, Tricolor foi agressivo e ofensivo, mas parou na tarde brilhante do goleiro Giovanni

Pontapé dado na série D para o JEC e a estreia deixou um gosto de quero mais no torcedor tricolor. Na tarde deste sábado (19), o Tricolor recebeu o Novorizontino e ficou no 1 a 1 na Arena Joinville.

Tricolor parou na boa atuação do goleiro Giovanni e estreia com empate na série D – Foto: Vitor Forcellini/JEC

Experiente, o Tigre contou com uma tarde inspirada do goleiro Giovanni que fechou a porta às investidas do JEC. Depois de prometer uma equipe agressiva e ofensiva, o técnico Fabinho Santos fez ajustes durante a partida e viu o time colocar em prática o plano de investir nas ações de ataque sem deixar o setor defensivo desorganizado.

Com dois pênaltis marcados na partida, o jogo terminou com o equilíbrio que as equipes demonstraram em campo. De um lado, Guilherme Queiroz bateu e fez, de outro, Edson Ratinho parou na estrela do goleiro do Tigre, mas o Joinville contou com o gol contra do zagueiro Bruno Aguiar para dar a largada no Campeonato Brasileiro com um ponto na conta.

O JEC volta a campo no próximo sábado (26), quando enfrenta o Marcílio Dias, às 16h, no Gigantão das Avenidas, em Itajaí.

O jogo

A promessa de um time ofensivo e agressivo feita pelo técnico Fabinho Santos foi cumprida no início do jogo. A ausência de Luquinhas obrigou o comandante a adiantar o capitão Edson Ratinho para o lado do ataque e escalar Renan Guedes pela lateral-direita. Jovem, o time tricolor logo mostrou a identidade da equipe: velocidade no ataque e organização no meio-campo e na defesa.

Com boas jogadas no meio e pelas laterais, o Tricolor chegava ao gol de Giovanni, mas pecava no último toque para balançar a rede. Do outro lado, o experiente Novorizontino, se fechava para evitar o gol do Joinville. No contra-ataque, aposta em jogadas pelos lados do campo e as potentes bolas aéreas que assustaram o goleiro Dalberson mais de uma vez.

Melhor na partida, o JEC viu o balde de água fria chegar aos 21 minutos. Depois de recuperar a bola, o Novorizontino viu o goleiro Dalberson tocar e derrubar Léo Baiano na área. Na cobrança, bola de um lado, goleiro de outro. Guilherme Queiroz não quis saber de emoção e encheu ó pé para abrir o placar.

O Tricolor sentiu o golpe, enquanto a equipe do técnico Roberto Fonseca melhorou a marcação e, com a vantagem no placar, não teve pressa para armar suas ações ofensivas. O experiente Novorizontino cadenciou o jogo a seu favor e o JEC até tentava martelar no ataque, mas sem levar muito perigo ao gol de Giovanni.

Edson Ratinho foi deslocado para o ataque e viu o goleiro Giovanni defender o pênalti que poderia dar a vitória ao JEC – Foto: Vitor Forcellini/JEC

Na defesa, a equipe do interior paulista se postava toda atrás para evitar o empate e apostava nos contra-ataques mais cadenciados para buscar o segundo gol, mas nada feito para nenhum dos dois lados e o primeiro tempo ficou no 1 a 0.

Na segunda etapa, o Tricolor entrou com vontade de fazer valer o mando de campo e conquistar os três pontos em seus domínios, mas continuava pecando no detalhe. As mudanças feitas pelo técnico Fabinho Santos começaram a surtir efeito. Depois das entradas de Kaynan e Alison no ataque, o Coelho acelerou as ações ofensivas e chegou ao empate em boa jogada pela direita.

O gol contou, ainda, com uma “ajudinha” de um velho conhecido. A lei do ex funcionou ao contrário na tarde deste sábado. Depois de lançamento na área, Bruno Aguiar desviou para o próprio gol e não deu chance para a reação e Giovanni impedir o empate do Joinville.

Com velocidade e boa troca de passes no meio, especialmente com as ações de Diego e Edson Ratinho, o JEC chegava, mas parava em um goleiro inspirado do Tigre. Giovanni brilhou e fechou a porta jogada após jogada, até que o Tricolor teve a chance de furar o paredão aos 34 minutos. O camisa 10 tricolor entrava com perigo na área, quando Giovanni teve que sair do gol e parar o jovem meia do Joinville. Resultado? Pênalti marcado.

O capitão Edson Ratinho, cobrador oficial foi na bola, mas mais uma vez Giovanni mostrou que não estava disposto a deixar o ponto escapar fora de casa, voou no canto esquerdo e fechou a porta para Ratinho.

As duas equipes se lançaram ao ataque e deixaram a partida mais aberta, com espaço para o contra-ataque, mas a rede não balançou mais na Arena Joinville.

Depois de estrear e acelerar o jogo do JEC, o atacante Alison exaltou o comportamento da equipe em campo. “Queríamos sair com o resultado positivo, mas a nossa equipe está de parabéns. Batalhamos, brigamos e agora precisamos ouvir o que o treinador tem para passar para a próxima partida”, disse.

Fim de jogo e estreia com empate e gosto de quero mais para o torcedor tricolor.

Ficha técnica:

JEC

Dalberson; Renan Castro, Renan Guedes, Edu Melo e Charles (Jaques); Braga, Davi Lopes (Lucas de Sá) e Diego; Gustavinho (Kaynan), Edson Ratinho e Romarinho (Alison).

Técnico: Fabinho Santos

Novorizontino

Giovanni; Felipe Rodrigues, Bruno Aguiar, Edson Silva e Paulinho; Adilson Goiano (João Pedro), Léo Baiano e Danielzinho (Wallen Jr.); Deivid (Mateus Rodrigues), Léo Tocantins (Cristopher) e Guilherme Queiroz (Cléo Silva).

Técnico: Roberto Fonseca

Cartões amarelos: Edson Ratinho

Árbitro: Antônio Márcio Teixeira da Silva

Assistentes: Diego Leonel Felix e Alexandre de Medeiros Lodetti

+

Joinville Esporte Clube