‘Não quero ser especialista em série D’, fala Leandro Zago, técnico do JEC

Zago foi apresentado oficialmente na manhã desta sexta-feira (30) e se reúne com a diretoria durante a tarde para avaliar elenco e possíveis reforços

“Não quero ser especialista em série D. Prefiro ser especialista em um ano e levar o time à série C. Não quero ter oito anos de experiência em série D. O clube tem que ser especialista em série A”. Foi assim que o técnico Leandro Zago chegou, oficialmente, ao JEC.

Leandro Zago foi “seduzido” por desafio de conquistar o acesso e garantir calendário ao JEC – Foto: Vitor Forcellini/JEC/Divulgação/NDLeandro Zago foi “seduzido” por desafio de conquistar o acesso e garantir calendário ao JEC – Foto: Vitor Forcellini/JEC/Divulgação/ND

A apresentação do técnico aconteceu na manhã desta sexta-feira (30) em uma entrevista que se estendeu por mais de uma hora na Arena Joinville. Assim que o nome de Zago foi anunciado, muitos questionamentos sobre a falta de experiência do treinador em uma competição como a série D surgiram nas redes sociais. A resposta foi dada na apresentação.

Estudioso, Zago ressaltou que monitora todas as séries do futebol brasileiro. “Acho fundamental ter conhecimento sobre a divisão e isso nós temos. O clube tem que sair o mais rápido possível da série D”, complementou.

Para o diretor de futebol Léo Roesler, a contratação de Zago já era desejo antigo e ele ressaltou, ainda, o encaixe entre o perfil do treinador e o modelo de jogo que a diretoria deseja. “É jovem, estudioso e tem grandes resultados dentro de campo. É uma mudança de perfil e o que nos fez mudar foi entender o que não deu certo. É um perfil com o qual eu me identifico e acredito”, salientou.

O presidente Charles Fischer garantiu que o nome de Zago foi uma decisão e convicção da presidência, do CEO e da direção de futebol após as entrevistas. Waguinho Dias também foi procurado pelo clube.

O novo treinador do Joinville já iniciou a avaliação do elenco. Antes mesmo de assistir ao jogo contra o Brusque, na Arena Joinville, ele já acompanhava a equipe e o que viu, agradou. “Temos uma equipe qualificada que, obviamente, pode ser reforçada em situações pontuais para um grupo ainda mais competitivo. O importante é classificar bem e  estar preparado para as circunstâncias de série D”. ressaltou.

Leandro Zago já chega muito pressionado. Sob o comando dele, o JEC precisa do acesso, do contrário, fica sem série e sem calendário no segundo semestre de 2022. Foi justamente a pressão e o desafio que seduziram o técnico. “Pela grandeza do clube, da cidade, da torcida, a pressão se intensifica. Viemos aqui para fazer história dentro do clube. É um desafio de exigência máxima e isso foi sedutor para mim”, disse.

Respeitar a história do clube

O treinador chega com uma missão difícil e ainda deve ter mudanças no elenco antes de iniciar, efetivamente, o trabalho. Zago deixou claro que não tem um esquema tático “preferido” e que o time precisa se adaptar às situações peculiares de uma série D que tem adversidades, como campos ruins, arbitragens e times mais duros do que técnicos.

Apresentação aconteceu na manhã desta sexta-feira (30), na Arena Joinville – Foto: Vitor Forcellini/JEC/Divulgação/NDApresentação aconteceu na manhã desta sexta-feira (30), na Arena Joinville – Foto: Vitor Forcellini/JEC/Divulgação/ND

O que o novo comandante garante, é que a equipe será coletiva e deve respeitar a história das gerações vencedoras do Joinville. “Precisamos respeitar a história do clube, o que a torcida espera, as equipes vencedoras que criaram sinergia com a torcida com entrega, velocidade e intensidade. Isso tudo nós precisamos ter”, disse.

Algumas características, no entanto, devem ficar evidentes no novo JEC: defesa com organização, pressão no adversário, velocidade e o equilíbrio entre jogo apoiado e alongado. “Eu opto pelo esquema tático que potencialize as características do grupo”, reforçou.

A identidade coletiva será uma das principais marcas da equipe nesta série D, garante Zago. Além disso, a entrega de cada jogador do elenco deve ser total ao clube e ao objetivo. “Todos os atletas que compartilham do nosso objetivo têm que ficar aqui, mas com a cabeça em acesso e título. Não vamos construir uma equipe vencedora se as pessoas não estiverem aqui de coração. Quem ficar, precisa estar com a cabeça no clube e não usá-lo como ponte”, destacou.

A avaliação dos atletas ainda será realizada e na próxima semana, mudanças começam a acontecer no JEC. A reapresentação dos atletas será na terça-feira (4) e, depois disso, Zago começa, efetivamente, a trabalhar visando a série D. Além de Leandro Zago, chegou ao JEC o auxiliar técnico Miguel Angelo Carrenho Pila.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Joinville Esporte Clube