Os ’10’ estão devendo? Números apontam baixa participação em gols de Valdívia e Marquinho

Camisas 10 de Avaí e Figueirense marcaram apenas um gol cada até aqui na temporada 2020; na Série B, ambos seguem em branco nos quesitos gols e assistências

Reforços mais “badalados” do ano em Florianópolis, os camisas 10 de Avaí e Figueirense, Valdívia e Marquinho, ainda não apresentaram números dentro de campo que “encham os olhos” dos torcedores da dupla da Capital.

Valdívia e Marquinho em campo por Avaí e Figueirense – Foto: André Palma Ribeiro/Avaí F.C e Patrick Floriani/FFC

Com grande expectativa, ambos acabaram sendo alvo de críticas nas decepções de Leão e Furacão no ano nas eliminações no estadual e Copa do Brasil.

A equipe do nd+ levantou os números dos jogadores durante a temporada, o posicionamento em campo e opiniou sobre o que deu certo e errado para os atletas durante a temporada. Confira:

Valdívia (Avaí)

O meia de 25 anos foi apresentado com grande expectativa no dia 6 de janeiro no Leão junto com outros seis reforços: Airton, Rafael Pereira, Arnaldo, Wesley, Rildo e Getúlio.

Apresentado em janeiro, Valdívia disse se sentir mais confortável jogando na faixa central do meio-campo – Foto: Gabriel Lain/ND

Na primeira fala ao torcedor, Valdívia disse se sentir mais a vontade para atuar na faixa central do meio-campo, apesar de em seu melhor ano no Internacional – em 2015 – ter atuado aberto pelo lado esquerdo.

“Quero ajudar da melhor forma possível e retomar meu melhor futebol, além de conquistar títulos pelo Avaí”, disse na ocasião.

No entanto, a primeira decepção acabou vindo logo na estreia. Com pouco tempo de treinamento, o Leão perdeu o título da Recopa Catarinense em casa para o Brusque com o meia apagado em campo.

O desempenho durante o estadual melhorou, com o jogador sendo o principal nome do meio-campo. Foram quatro assistências para gols nos 11 jogos do Catarinense. No entanto, o número de bolas na rede decepcionou, apenas um gol, de pênalti, contra o Joinville ainda no turno.

Após a parada do futebol no país devido à pandemia da Covid-19, o desempenho, em números, acabou ficando aquém do que a torcida espera do camisa 10.

O jogador fez partidas apagadas nas quartas de final do estadual. A derrota por 2 a 0, e o empate por 1 a 1 diante da Chapecoense, culminaram na eliminação precoce do Leão. Na Série B o jogador ainda não teve participação em gols.

Confira os números de Valdívia na temporada (até 14/9):

  • Jogos na temporada: 21 (1 na Recopa Catarinense, 11 no Catarinense, 1 na Copa do Brasil e 8 na Série B)
  • Número de jogos em que foi substituído: 10
  • Número de cartões amarelos: 3
  • Número de gols: 1 – média de 0,04 por partida
  • Número de Assistências: 4 – média de 0,19 por partida

O jogador esteve presente em todos os jogos do Avaí na temporada, sendo titular em todos.

Números na Série B até o fim da 9ª rodada:

Mapa de calor de Valdívia indica jogador mais presente pelo lado esquerdo do ataque – Foto: SofaScore/Reprodução

  • Em oito jogos ainda não marcou gols nem deu assistências;
  • Média de 1,3 passes decisivos por jogo;
  • Média de 13,4 passes por jogo no campo adversário;
  • Média de 0,9 dribles certos por partida;
  • Média de 15,4 perdas de posse por partida;
  • Média de 2,9 faltas sofridas por partida;
  • Média de 1,1 finalizações por partida;
  • Média de 79 minutos jogados por partida.

* Estatísticas apontadas pelo SofaScore – Nota: 6,84

* A partida entre Confiança-SE x Avaí válida pela 3ª rodada foi adiada

Opinião do especialista

Para o colunista do Grupo ND, Fábio Machado, falta ao camisa 10 do Leão assumir a condição de protagonista no meio-campo da equipe.

“Ele [Valdívia] precisa ter mais intensidade, chamar a responsabilidade e aproveitar uma de suas melhores características: o chute de média e longa distância”, afirmou.

Machado também cita o que chamou de oscilação do meia durante as partidas, onde acaba “apagado” em alguns momentos. “É necessário que ele tenha um futebol mais seguro e constante. Tem aparecido em alguns momentos e sumido em outras partes do jogo”, explica.

Marquinho (Figueirense)

O meia Marquinho, de 34 anos, foi anunciado pelo Figueirense no dia 31 de janeiro. Foi o retorno do atleta ao clube após 12 anos longe do Scarpelli. Ele teve passagens por Fluminense, Roma, Udinese, Athletico e Vasco da Gama.

Marquinho em apresentação no Figueirense ao lado do ídolo Fernandes – Foto: Patrick Floriani/FFC

Na apresentação, o jogador falou sobre a “gratidão” que tem ao clube, além da conversa que teve com o lateral Lucas, que deixou o Figueirense recentemente.

A estreia aconteceu no dia 15 de fevereiro contra o Marcílio Dias, ainda no turno do Campeonato Catarinense, em Itajaí. O meia atuou durante os 90 minutos na derrota por 2 a 1.

O primeiro, e único gol até aqui, saiu na última rodada do turno do estadual, quando o Figueirense bateu o Brusque pelo placar de 1 a 0 no Scarpelli. O jogador ainda não deu assistências.

As atuações apagadas, principalmente após a volta do futebol brasileiro, acabaram gerando reclamações da torcida, em especial após as eliminações no Campeonato Catarinense, diante do Juventus, e na Copa do Brasil, para o Fluminense, ainda sob o comando de Márcio Coelho.

Confira os números de Marquinho na temporada (até 14/9):

  • Jogos na temporada: 16 ( 5 no Catarinense, 3 copa do Brasil e 8 série B)
  • Número de jogos em que foi substituído: 6
  • Jogos saindo do banco: 1
  • Número de cartões amarelos: 3
  • Número de gols: 1 – média de 0,06 por partida
  • Número de Assistências: 0

Números na Série B até o fim da 9ª rodada

Mapa de calor de Marquinhos na Série B: circulação pela faixa central com foco no lado esquerdo – Foto: SofaScore/Reprodução

  • Em oito jogos ainda não marcou nem deu assistências;
  • Tem média de 1,4 passes decisivos por jogo na Série B;
  • Média de 14,3 passes no campo adversário;
  • Média de 0,6 dribles certos por partida;
  • Média de 12,6 perdas de posse por partida;
  • Média de 1,1 faltas sofridas por partida;
  • Média de 1,1 finalizações por partida;
  • Média de 84 minutos jogados por partida.

* Estatística apontadas pelo SofaScore Nota: 7,01

* A partida entre Sampaio Correa x Figueirense válida pela 4ª rodada foi adiada

Opinião do especialista

Para Fábio Machado, a questão da idade acaba pesando no desempenho do camisa 10 do Furacão. “Ele precisa fazer a bola rolar e fazer o time girar em campo”, ressalta.

“Diante do Náutico, ele desempenhou bem esse papel em alguns momentos, coisa que não vinha fazendo. Distribuiu passes e deixou atacantes do alvinegro na cara do gol em duas oportunidades. A sua utilidade no Figueirense é proporcionar assistências”, pontuou o colunista do Grupo ND.

“É preciso ressaltar, isso serve para ambos [Marquinho e Valdívia], que o camisa 10, é sempre alvo da torcida quando os resultados não ocorrem. Servem muitas vezes como termômetro da equipe”, afirma.

+

Futebol Catarinense