Árbitra catarinense é a única brasileira convocada para competição internacional

Jaraguaense é árbitra da Liga Joinvilense de Futebol e recebeu notícia enquanto se prepara para o Campeonato Catarinense

A representatividade feminina e catarinense na arbitragem ganha mais um capítulo. A árbitra Charly Wendy Straub Deretti foi convocada para a Copa Libertadores da América feminina e fará, a partir do dia 5 de março, sua estreia em competições internacionais. 

Charly Wendy é a única árbitra brasileira no quadro da Libertadores da América feminina deste ano – Foto: Arquivo pessoal/divulgação/NDCharly Wendy é a única árbitra brasileira no quadro da Libertadores da América feminina deste ano – Foto: Arquivo pessoal/divulgação/ND

A Libertadores acontece em Buenos Aires entre os dias 5 e 22 de março e ela é a única brasileira no quadro de arbitragem da competição. Além dela, as assistentes Bárbara da Costa e Fernanda Gomes Antunez também representam o país. No final de 2020, Charly apitou o amistoso entre Brasil e Equador, na Arena Corinthians. A árbitra, que é da Liga Joinvilense de Futebol, integra o quadro Fifa desde o início do ano passado.

Jaraguaense de nascimento e “criada” na arbitragem joinvilense, Charly conta que foi surpreendida com a notícia. “Foi uma surpresa, eu não esperava, na verdade a gente nunca sabe quando vai ser o próximo jogo e uma notícia dessa melhora. Não esperava, mas estou sempre trabalhando e me dedicando para quando surgir a oportunidade, abraçar e fazer um bom trabalho”, fala.

A boa notícia veio enquanto Charly se prepara para arbitrar no Campeonato Catarinense, que inicia na próxima quarta-feira (24) e apesar de comemorar, para “segurar” a ansiedade, a árbitra foca no Estadual. Ela conta que ainda não tem mais informações sobre a logística da competição, mas a expectativa, garante, é “manter a arbitragem feminina brasileira muito bem representada, continuar com essa representatividade que já temos”.

Ex-atleta, Charly já defendeu a camisa da seleção em dois mundiais, em 2007 e 2011 e, agora, ressalta a árbitra, a missão é a mesma. 

“Sempre trabalhei muito e fui muito determinada desde atleta e essa disciplina me trouxe a experimentar esses novos ares. Nunca foi fácil e nunca vai ser, meu sonho sempre foi representar o Brasil e agora minha camisa só muda, não tem um número atrás, mas carrego no peito um escudo que quero representar da melhor forma possível”, salienta.

Charly Wendy apitou, no final de 2020, o amistoso entre Brasil e Equador- Foto: Arquivo pessoal/Divulgação/NDCharly Wendy apitou, no final de 2020, o amistoso entre Brasil e Equador- Foto: Arquivo pessoal/Divulgação/ND

Criada nas competições amadoras de Joinville, Charly cresceu e conquistou seu espaço e a “escola” foi fundamental, fala ela, para pavimentar o caminho que continua trilhando.

“Eu acho que isso foi primordial. O futebol amador é uma escola, hoje eu devo muito a Liga de Joinville e de Jaraguá do Sul porque o nível é muito forte e é preciso ter essa bagagem, essa experiência. A FCF me deu essa chance, me colocou desde os pequenos aos grandes jogos, passei por todas as etapas, fui subindo degrau por degrau e adquirindo experiência e controle para comandar uma partida internacional’, ressalta.

Convocada, ela já traçou o objetivo: apitar um jogo de semifinal ou final. “Como todo time quer chegar na final, nós também queremos. Para isso, a expectativa é iniciar bem a competição e, se possível, fazer um jogo decisivo”, finaliza.

Além do trio de arbitragem, o Brasil será representado por três equipes: Avaí/Kindermann, Corinthians e Ferroviária.

Acesse e receba notícias de Joinville e região pelo WhatsApp do ND+

Entre no grupo
+

Futebol Feminino