Espanha: crise financeira do país acerta em cheio o futebol

Clubes de menor investimento têm orçamentos pequenos e estão perto do colapso

Divulgação

A crise chegou ao futebol! Essa foi a manchete de maior repercussão na Espanha ontem, que apontava os graves problemas financeiros dos clubes de menor expressão no país, que culminou com o boicote do Racing Santander em jogo da Copa do Rei – com cinco meses de salários atrasados, os jogadores entraram em campo mas se recusaram a enfrentar a Real Sociedad. Perderam por W.O. e acabaram eliminados nas quartas de final.

Crise imobiliária, inflação em alta, recessão na economia, PIB em paixa e recorde na taxa de desemprego (em 2013 o país registrou seis milhões de desempregados, o que representava 27,16% da população ativa). Menos dinheiro circulando no país, e problemas em várias áreas, entre elas o futebol. Sem caixa e/ou financiamento para suas dívidas, os clubes de menor investimento entraram em colapso.

Clubes tradicionais como La Coruña e Betis quase decretaram falência. Vários astros deixaram o país. Só o Sevilla perdeu numa tacada só Jesús Navas e Negredo para o poderoso Manchester City. O Málaga, com salários atrasados e outras dívidas, acabou suspenso de competições de europeias. O Valencia deve ser vendido para investidores, não consegue terminar a obra de seu novo estádio e também não segura seus astros.

Enquanto isso, Real Madrid e Barcelona vivem em um “oásis” no deserto espanhol. Ambos têm faturamentos incríveis, assim como suas dívidas, e abocanham uma fatia consideral na divisão das cotas de TV. O que torna o abismo com os outros clubes surreal. Em um total de 780 milhões de euros (R$ 2,5 bilhões) que são repassados aos clubes, Real e Barça ficam com 136 milhões de euros (R$ 445 milhões) cada. O Rayo Vallecano, por exemplo, pega só 12 milhões de euros (R$ 39 milhões), enquanto Atlético de Madrid e Valencia ficam com 47 (R$ 153) e 40 milhões de euros (R$ 130 milhões), respectivamente.

De acordo com estudo publicado nesta semana por Amir Somoggi, especialista em marketing esportivo e membro da Academia LANCE!, a participação do faturamento conjunto da dupla Real Madrid/Barcelona, que era de 37% do total gerado pelos 20 clubes da Liga em 2003, atingiu 56% em 2012. Atualmente, para cada mil euros gerados na Espanha, 0,93 euros são produzidos pela dupla. O que representa 0,093% do PIB espanhol.

Maiores receitas do futebol espanhol em 2012 – milhões e euros

Fonte: José Maria Gay Liébana

1- Real Madrid: 513 milhões
2- Barcelona: 483 milhões
3- Valencia: 121 milhões
4- Atlético de Madrid: 108 milhões
5- Athletic Bilbao: 75 milhões
6- Villarreal: 71 milhões
7- Sevilla: 60 milhões
8- Espanyol: 48 milhões

Maiores gastos dalariais do futebol espanhol em 2012 – milhões de euros:

Fonte: José Maria Gay Liébana

1- Real Madrid: 234 milhões de euros
2- Barcelona: 233 milhões de euros
3- Athletic Bilbao: 75 milhões de euros
4- Atlético de Madrid: 73 milhões de euros
5- Valencia: 70 milhões de euros
6- Sevilla: 55 milhões de euros
7- Villarreal: 49 milhões de euros
8- Málaga: 48 milhões de euros
9- Espanyol: 29 milhões de euros

Dívidas dos clubes espanhóis – milhões de euros (relatório divulgado em 2013)

Real Madrid: 589,9 milhões
Barcelona: 578,1 milhões
Atlético de Madrid: 514,3 milhões
Valencia: 381,9 milhões
Villarreal: 267,4 milhões
Espanyol: 187,8 milhões
Zaragoza: 152,4 milhões
Sevilla: 101,2 milhões
La Coruña: 99,7 milhões
Levante: 98,4 milhões
Mallorca: 85,2 milhões
Athletic Bilbao: 79,3 milhões
Racing: 78,4 milhões
Osasuna: 68,9 milhões
Real Sociedad: 58,8 milhões
Hércules: 46,3 milhões
Getafe: 46,2 milhões
Málaga: 37,5 milhões
Sporting Gijón: 32 milhões
Almería: 30,1 milhões

Com a palavra – Amir Somoggi

Especialista em marketing esportivo

Há 56% do faturamento apenas para os dois gigantes da Espanha (Barcelona e Real Madrid). Os outros 44% são divididos entre os 18 clubes restantes da competição. É muita a diferença. O Real Madrid tem o faturamento quase cinco vezes maior do que o Valencia. Esta é a grande questão, além da crise econômica do país.

E há outro problema: além de ganhar menos, eles tem perspectivas menores, porque não há chance destes clubes serem campeões do Espanhol. Eles podem brigar por Copa do Rei e ter a sorte de pegar uma “lasquinha” em competições europeias.

Ou seja: eles não montam times para serem campeões, não têm este ânimo ao se prepararem porque sabem que não há condições. Atrapalha o marketing.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Futebol Internacional

Loading...