Fábio Machado

Rotina, contratações e análise dos jogos dos clubes catarinenses. A história do futebol no Estado é resgatada com postagens que relembram os títulos e jogadores que marcaram Santa Catarina.


O mundo de olho na volta do futebol Alemão. O que o futebol brasileiro tem com isso?

Na manhã deste sábado (16), o mundo do futebol parou para assistir o retorno do campeonato alemão. As atenções maiores estavam voltadas para o jogo principal jogo da rodada: Borussia Dortmund e Schalke 04. Foi um jogo estranho: sem torcida nas arquibancadas; 4 gols sem comemorações, sem abraços e sem cumprimentos. Uma partida muito diferente de tudo aquilo que imaginamos que seja o futebol ainda mais com os rígidos protocolos de saúde para prevenir a contaminação da covid -19.

AVALIAÇÃO

Os jogos da 26 ª rodada da Bundesliga, servirá para muitas federações – principalmente do futebol Europeu-, avaliar se chegou o momento de retornar as competições em seus países. Dentro de duas semanas, se nada de grave ocorrer, o caminho estará aberto para a volta do futebol. Mas, se por acaso, um desses jogadores ou algum membro da comissão técnica for contaminado – e provado – que foi no gramado atuando, o futebol corre o sério risco de voltar só no próximo ano. O teste está feito, a sorte está lançada, resta agora aguardar os resultados.

E o futebol brasileiro?

Por aqui, os nossos dirigentes acompanharam animados o retorno do futebol alemão. A volta da bola rolando pelos gramados na terra de Franz Beckenbauer, serve como uma espécie de cartão de visitas para convencer as autoridades autorizarem o retorno dos jogos em nossos gramados, amparados pelas medidas protetivas e seus protocolos.

Mas é preciso levar em conta – e que ninguém esqueça disso – que o Brasil não é a Alemanha. Não dá para comparar a disciplina, o sistema de saúde deles com o sistema de saúde brasileiro, assim como não dá para ignorar que por aqui, o número de infectados tem aumentado a cada dia. Prudência e caldo de galinha não faz mal para ninguém.

Contradições

O rígido protocolo de saúde que permitiu o retorno do futebol alemão no último sábado, tem lá as suas incoerências: na comemoração os jogadores não podem se abraçar para comemorar. Mas nada impede que na jogada do gol, o atacante tenha contato com o seu marcador. Ou seja, vale o contato durante os 90 minutos, entre zagueiros e atacantes, mas na hora feliz de ver a rede adversária balançando, nada de contato físico. Mas os jogadores não foram testados antes de entrar em campo? Eles não estão saudáveis e aptos para jogarem?