Conteúdo por Gazeta Esportiva

Alex relembra vitória histórica do Palmeiras sobre o River Plate em 1999: “Noite mágica e eterna!”

Há 21 anos, o Palmeiras fazia 3 a 0 no River Plate, da Argentina, no antigo Palestra Itália, pelo segundo jogo da semifinal da Libertadores de 1999 e garantia vaga na decisão do torneio. Um dos destaques daquele time que acabou campeão continental naquele ano e autor de dois do triunfo sobre os argentinos, Alex relembrou com carinho partida em suas redes sociais.

“Comemoramos a derrota simples lá na casa deles por confiar demais em nosso jogo em casa. E confirmamos isso. Em 24 minutos já tínhamos a vantagem a nosso favor. Estratégia montada e bem executada”, diz parte da publicação.

Ver essa foto no Instagram

RIVER PLATE: Bonano; Lombardi, Berizzo, Sarábia e Placente (Gancedo); Netto (Aimar), Pereyra (Pizzi), Sorín e Berti; Gallardo e Angel. Técnico: Ramón Díaz… Esse era nosso adversário na noite de 26/05/99. Vejam os nomes e vão ver uma qualidade individual enorme e coletivamente uma equipe mto forte. Vieram a São Paulo com a vantagem de 1/0 em Buenos Aires, graças à noite perfeita do @marcosgoleiro_12 . Comemoramos a derrota simples lá na casa deles por confiar demais em nosso jogo em casa. E confirmamos isso. Em 24 minutos já tínhamos a vantagem a nosso favor. Estratégia montada e bem executada. Roque Júnior e eu fizemos os gols, mas fora isso já tínhamos tido uma bola na trave comigo, um lance com @paulonunes7 q ele n costumava perder… tínhamos o domínio total! Na segunda etapa eles se atiraram e devido a qualidade deles, tiveram oportunidades de fazer um gol q mudaria tudo na eliminatória.mas tbm deram espaços maravilhosos q utilizamos bem,mas concluímos de forma ruim… A tensão era enorme.aumentava a cada minuto. Pq estavamos tão próximos da final e um gol deles mudaria tudo. Mas o golpe final vem naquilo q se desenhou o segundo tempo. Um espaço enorme deixado por eles. Estavam loucos na busca por um golzinho. Bola parada contra. Armamos no tradicional. @zinho e eu na segunda bola,Paulo na bola longa. A bola na área e Marcão de soco tira da área q cai em mim, livre para eu fazer oq quisesse. Já sabia do espaço enorme a minha frente, de primeira no Zinho, q controla e dá na velocidade do Paulo, que com espaço controla e levanta cabeça. tinha algumas escolhas e opta por dar a bola em mim. Todos diziam q eu era lento, mas da minha área qdo iniciei o contra-ataque, segui acompanhando. Torcendo q a escolha do paulo fosse eu. estava na área Argentina como uma das opções do nosso ataque. Paulo me escolhe e a bola vem e a controlo bem, e se no primeiro gol eu procurei força e precisão, nesse eu precisava apenas dar um bom passe. Foi oq fiz, meti do lado do defensor e longe do Goleiro… e sai pro abraço da galera… Portas abertas para ser campeão da América! Noite mágica e eterna! Obrigado @palmeiras ⚽️?

Uma publicação compartilhada por alexdesouza (@alexcfc10) em

Depois de perder por 1 a 0 para o River na Argentina, o Verdão precisava ganhar por dois gols de diferença para chegar a grande decisão da Libertadores de 1999. Com a vitória de 3 a 0, o Palmeiras se classificou e pegou o Deportivo de Cali, da Colômbia, na finalíssima e sagrou-se campeão da América pela primeira vez nos pênaltis.

“Portas abertas para ser campeão da América! Noite mágica e eterna! Obrigado, Palmeiras”, completou.