Caso da ‘máfia dos ingressos’ da Copa tem primeira audiência no Rio

Delegado responsável pela operação que prendeu suspeitos durante o Mundial foi ouvido

A primeira audiência do caso da “máfia dos ingressos” na Copa do Mundo ocorreu nesta segunda–feira, no Tribunal de Justiça do Rio. O delegado da Polícia Civil, Fábio Barucke (18ª DP), responsável pela operação Jules Rimet, que fez prisões durante o Mundial, e outros agentes foram ouvidos na sessão.

O britânico Ray Whelan, executivo da empresa Match, que presta serviços à Fifa, foi mais uma vez apontado como fornecedor principal do esquema, chefiado pelo francês Lamine Fofana.

Apesar disso, Whelan está fora do Brasil e, no momento, é o único suspeito fora do julgamento, já que a acusação sobre ele foi arquivada plea 6ª Câmara Criminal do Rio. O Ministério Público tenta recorrer da decisão, mas o despacho não foi publicado até hoje, seis meses após a medida.

Uma nova audiência do caso está marcada para a manhã do dia 26 de agosto.

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
+

Futebol

Loading...