Figueirense confirmou favoritismo e conquistou o returno

Alvinegro enfrenta o Joinville e o Avaí pega a Chapecoense

Túnel do tempo

Arquivo Pessoal/ND

Juventus de Rio do Sul e Figueirense, em 1979. Celso Bozzano é o árbitro e o Fita Métrica Sérgio Lopes (de camisa clara) do Figueirense gesticula com ele. A partida terminou empatada em 1 a 1. Estádio Alfredo João Krieck, em Rio do Sul.

Paixão para toda a vida

Divulgação/ND

Em um ano em que o Leão da Ilha tentará o seu retorno à Série A, o casal Grazi e Rafa dá um bom exemplo de fidelidade e de paixão ao Avaí.

Pequenos avaianos

Divulgação/ND

 
Desde criança é que se forma o torcedor adulto do futuro. Essa regrinha foi seguida à risca pela mamãe Ana Beatriz, que passou o amor pelo Avaí para os filhos Jana Indhá e Piettro, avaianos com direito a produção e fotos de qualidade.

Anulados
No primeiro tempo, o Avaí travou a equipe do Metropolitano, manteve a posse de bola e abriu a vantagem com dois gols. Além disso, os zagueiros anularam Rafael Costa e Pantico, quem nem tocaram na bola. Pirão foi muito bem e Robinho comandou o meio-campo. Cléber Santana esteve apagado. O Leão foi gigante em Blumenau.

Faltou espaço
É inadmissível que tenhamos torcedores assistindo futebol profissional em pé no nosso Estado. No Sesi, muita gente ficou em pé. Cerca de mil avaianos compareceram, mas o espaço era para apenas 620 torcedores visitantes. A torcida fez muita festa em Blumenau.

Perdido
No Scarpelli, o jovem árbitro Clodoaldo Juviaski marcou duas penalidades que não aconteceram, mas os jogadores não queriam confusão e deixaram de lado qualquer cobrança mais rígida. O Camboriú também não ofereceu nada de novo, principalmente porque chegou com cinco desfalques e com o seu dever bem cumprido.

Mais um
Botti é um meia que marca bem e joga para o time, além de ser um jogador que chega como homem-surpresa. Já marcou três gols neste campeonato e ainda pode se mais útil. Fernandes deixou a sua marca com uma bela cobrança de penalidade.

Que vergonha
Começou a rodada e ninguém sabia ainda o nome da taça de campeão do returno, uma falha gritante da Federação Catarinense de Futebol. Poderia ser até 88 anos da Federação, mas nem isso tiveram capacidade de antecipar para a mídia. Outra opção seria José Maria Marin, presidente da CBF, e amigo do Delfim.

Perdeu a chance
Rafael Costa nem tocou muito na bola diante do Avaí, enquanto Aloisio, machucado, não pôde enfrentar o Camboriú, mas continuam vivas as chances do matador Alvinegro buscar essa artilharia, até porque o Metrô foi eliminado e o Furacão continua, lembrando que Aloisio está com 12 gols e Rafa Costa parou nos 14.

Tranquilo
Nas poucas intervenções que fez, o goleiro Neto foi seguro e não deu rebote, além de ter passado segurança para o sistema defensivo do Figueirense. Wilson retorna na próxima partida e tudo fica dentro dos conformes. O problema é que a zaga do Figueirense continua dando sustos e nada muda.

Deu a lógica
O Figueirense foi o campeão do returno, Chapecoense e Joinville superaram os seus adversários, e o Avaí chegou como gigante em Blumenau e deu as cartas, confirmando a sua força como time de ponta, recuperando um espaço que estava se perdendo na competição. O problema é que no segundo tempo passou sufoco.

Gol do título
Luiz Fernando encheu o pé e ainda contou com o azarado do zagueiro do Camboriú, que tentou evitar o gol do título do Figueirense. O Alvinegro vem sendo a melhor equipe em todos os sentidos, até quando joga muito desfalcado.

Festa total
Com a vitória por 3 a 2, o Figueirense deu mais uma alegria ao seu torcedor, conquistando o returno. Em Blumenau, o Avaí superou o Metropolitano por 5 a 2. A capital catarinense mostra a sua força e entra embalada para a decisão.

Grande fase
Treinador Hemerson Maria chega a três vitórias e um empate e tem grande mérito nesta classificação do Avaí, mostrando que tem comando de grupo e sabe bem da parte tática. O Avaí encurralou o Metrô enquanto pôde no seu campo e teve mais a posse de bola.

Superação
Sob o comando do Argel, o Joinville merecia mesmo essa passagem de fase, assim como a Chapecoense, com o Itamar Schulle. São adversários fortes e que se agigantaram na reta final. Não será nada fácil, mas a única solução é jogar e encarar as feras.

Bola Cheia
Para o título do Figueirense e para as vitórias de Joinville, Chapecoense e Avaí. Já o atacante Felipe Alves foi o grande nome do Leão em Blumenau. Figueirense x Joinville e Chapecoense x Avaí, na grande decisão.

Bola Murcha
O Metropolitano fraquejou na hora H e perdeu para a dupla da Capital em confrontos diretos decisivos, sofrendo oito gols em duas partidas. Já o Criciúma foi outra decepção e acabou sendo eliminado em Chapecó e segue acumulando problemas.