Mais uma decisão para o Sub-20 do JEC

Fabinho tem apenas uma dúvida no time que joga hoje contra o São Paulo pelo primeiro jogo da Copa do Brasil Sub-20. A semifinal é novidade para o time, que ainda está se acostumando com competições nacionais. O time que deve jogar tem Matheus, André Krobel, Jéferson, André Baummer e Gustavo; Juninho (chamem de Antonio Carlos por favor), Bruno Kairon e Breno. Luis Júnior (esse é o Juninho) e Adriano. A dúvida de Fabinho é jogar com Bruno Kairon ou não.

Se isso não ocorrer, já que ele não tem começado bem os últimos jogos, Brener vai para a lateral-esquerda e Gustavo joga como segundo volante no meio campo. As duas opções são boas, mas sinceramente eu não tiraria Gustavo da esquerda, pois está voando por lá. Aliás, as duas laterais estão bem servidas na base e tem sido a válvula de escape do Joinville. Independentemente do time que jogue, o JEC precisa fazer o resultado dentro de casa para depois buscar em Cotia a vaga para a grande final. Esse time merece por tudo que fez até aqui.

Não pode levar gols

Quem joga o primeiro jogo em casa na Copa do Brasil não pode levar gol. Isso tem dado certo nos jogos que o JEC fez em casa. Contra Grêmio e Coritiba o JEC garantiu o resultado na Arena e depois saiu para fazer o “crime”. Isso já deu certo, mas a zaga precisa estar atenta porque o ataque Tricolor Paulista é muito forte.

De saída

Carlos Junior/ND

André Krobel caiu nas graças de Eduardo Uram e deve deixar o JEC no fim do ano

André Krobel deve deixar o JEC após o término da Copa do Brasil Sub-20. O atleta tem vínculo com o Tricolor até dezembro e estava livre para negociar com outros clubes. O empresário Eduardo Uram assistiu ao jogo dele contra o Flamengo no Rio de Janeiro e já fez o contato, seduzindo Krobel. Afinal, quem não quer ter Eduardo Uram como seu agente? Entendo o menino, que buscou seu melhor e também entendo o JEC, que não fez um contrato longo porque Krobel foi despontar mesmo, no último mês.

Como fazer um contrato longo com alguém que até um mês e meio atrás não parecia vingar? Não existe certo nem errado nesse caso. O JEC, quando acordou, fez uma proposta de R$ 2.500 mês para ele, mas aí Krobel já estava seduzido por Uram, que deve levar o lateral para um clube grande do eixo Rio-São Paulo. Vida que segue. Boa sorte a Krobel, mas que não se esqueça de Simão, que foi quem lhe deu o primeiro par de chuteiras. Gratidão é tudo!

Paula Pequeno

A cidade de Joinville voltará a ser referência no voleibol a partir da próxima temporada. Bicampeã olímpica pela seleção brasileira feminina de vôlei, a ponteira Paula Pequeno estará em Joinville hoje para o lançamento do primeiro núcleo da modalidade com a marca da atleta na maior cidade de Santa Catarina. O evento será realizado no Colégio Machado de Assis, sede oficial da Escola de Voleibol Paula Pequeno.

Paula Pequeno 2

 O objetivo também é expandir os núcleos para outras sedes na cidade. Embraco e Tigre já estão se programando para receber alunos e cidadãos da região. Em Joinville, o núcleo terá a coordenação do professor José Paulo Peron, ex-auxiliar técnico de Giovane Gávio no vôlei de Joinville durante a temporada 2007/2008 e campeão catarinense pela cidade.  O primeiro núcleo em Joinville receberá jogadores de 6 a 60 anos, divididas nas categorias Pré-Mirim, Mirim, Infantil, Infanto-Juvenil, Juvenil, Adulto e Master.

Um ano do acesso 

Carlos Junior/arquivo/ND

Goleiro Ivan, um dos líderes da campanha do acesso em 2014

É uma data para recordar com carinho. Há um ano o JEC conquistava o acesso à Série A do Brasileiro. A coluna conversou com o goleiro Ivan, personagem desse título, que falou do amor pelo clube: 

“Foi um dia especial, diferente de tudo que já havia vivido em minha vida. Quando o juiz apitou o final da partida eu só me lembro de que desabei em lágrimas. Só conseguia abraçar meus companheiros e agradecê-los por tudo que tínhamos feito.  Pelo clube, pela cidade e principalmente pela torcida do JEC. Porque mais do que ninguém, eles mereciam a alegria de ver seu clube de coração disputando a Série A. Uma torcida que não abandonou seu time mesmo nos piores momentos. Eu sofria muito, pelos anos anteriores em que tivemos a oportunidade e não conseguimos. Passou um filme na minha cabeça aquele dia, desde a minha estreia contra o Marcílio Dias em uma Copa Santa Catarina, até aquele momento que foi quando selamos a ida do JEC À série A. Desde o começo eu sentia que seria um ano diferente, quem estava no clube sabia o que precisava ser feito, quem chegava era recebido de braços abertos. E fizemos daquele elenco uma família. Agradeço a Deus todos os dias por ter feito parte daquele grupo e por ter me dado a oportunidade de vestir a camisa do meu time de coração por quatro anos e 191 vezes! Não nasci JEC, mas a vida me fez JEC de coração”.

“Já perdi alguns janteres”

Sobre o momento do clube, Ivan disse que está confiante. “Infelizmente hoje o JEC não vive um bom momento na Série A, mas é preciso acreditar. Acompanho muito de perto, eu ainda tenho uma identidade muito grande com o clube.  Os caras chegam todos os dias após os jogos e diz, poxa Ivan e o seu JEC perdeu mais uma. Quando ganha também não tem quem me aguente aqui [Em Belém, onde mora e defende o Paysandu]. Já perdi alguns jantares aqui apostando nos jogos do JEC. Mas ainda não perdi a fé! E acredito muito que o JEC vai permanecer na série A”.

Tênis de mesa 1

Numa competição com cerca de 700 atletas de 99 clubes de quase todo o Brasil, o tênis de mesa de Joinville (AJTM/Felej), mais uma vez, teve atuação destacada.  Os competidores conquistaram títulos em diferentes categorias. Joinville terminou a competição na inédita terceira colocação geral, levando o Troféu Eficiência.  A cidade contou com 16 atletas para o Brasileiro de Verão – dez olímpicos e seis paraolímpicos -, orientados pelos técnicos Bruno Costa e Celso Toshimi.

Tênis de mesa 2

Na categoria individual olímpico, Joinville obteve seu melhor desempenho. Enzo Nakashima foi bicampeão brasileiro no infantil masculino (sub-15); Alexia Nakashima foi primeiro lugar na categoria juventude feminino (sub-21) e segundo lugar na categoria juvenil feminino (sub-18); e  Celso Nakashima, pai de Enzo e Alexia, foi o campeão na categoria máster 50 anos. 

Participe do grupo e receba as principais notícias
do esporte de Santa Catarina e do Brasil na palma da sua mão.

Entre no grupo Ao entrar você está ciente e de acordo com os
termos de uso e privacidade do WhatsApp.
Loading...