O Avaí precisa jogar com inteligência para surpreender a Chapecoense

Cleber Santana segue sendo a esperança do Leão

Arquivo Pessoal/ND

Túnel do tempo

Balduíno (E) e Saul Oliveira (D), que foi jogador, treinador e dirigente no Avaí.

Fotos Divulgação/ND

Mulheres nos estádios

Continua subindo, de forma surpreendente, a presença das mulheres nos estádios, em sua grande maioria, acompanhando o marido ou o namorado. Vão uniformizadas e entendem de futebol, além do colorido especial que proporcionam. Muito bom. Nas fotos, Mico e Bruna (Figueirense) e Moacir e Mayara (Avaí).

Liberação
Que o Avaí terá que se superar em Chapecó não resta dúvida. Superação em campo e fora das quatro linhas, porque a Arena Condá deverá lotar, tanto que a diretoria da Chapecoense vai instalar as câmeras de monitoramento exigidas pela Polícia Militar, aumentando a capacidade do estádio para 12,7 mil torcedores.

Poucos sócios
Enquanto Figueirense e Avaí já ultrapassaram a barreira dos 10 mil sócios, a Chapecoense está com 5.000 associados e terá que colocar à venda 7.000 ingressos. Por enquanto, a capacidade da Arena Condá é de apenas 10 mil, porém é inegável o crescimento da Chapecoense nos últimos anos.

Apenas o certo
Sobre os dois árbitros destas segundas partidas das semifinais, espero é que Bráulio da Silva Machado e Paulo Henrique Bezerra apitem somente o que for correto, sem beneficiar clube algum. Célio Amorim foi bem na partida da Ressacada e Ronan Marques da Rosa foi um desastre em Joinville.

Solta o chute
Enquanto Léo Gago continua se dando bem no Grêmio, marcando golaços de fora da área, porque é dono de um chute forte e certeiro, o polivalente Pirão, do Avaí, lateral e meia, fica se amarrando pra chutar de longa distância. Arrisca, meu filho, nem que tente algumas vezes. Não falo em chutar por chutar, mas apareceu o espaço, tenta.

Bola da vez
Sem Túlio, cuja expulsão foi rigorosa demais no último domingo, Branco ainda não decidiu quem será o substituto, mas tem algumas opções, como Toró, Doriva, Coutinho e Jackson. Entendo que Toró seria o primeiro da fila e a segunda opção o Coutinho. Com Toró, o time joga mais solto e ele marca bem e é mais esperto.

Avenida Badé
No jogo da Arena Joinville, o eletrizante lateral Badé não jogou bem e foi substituído, com Argel percebendo que o lado esquerdo da defesa estava um buraco. Esse espaço não foi melhor aproveitado pelo Doriva, por falhas na conclusão. Eu continuaria com Fernandes na frente e Roni pela esquerda, mas quem aceitará um 4-5-1 dentro de casa?

Cleber, tudo contigo
Não adianta porque é chover no molhado, mas Cleber Santana ainda é a esperança de algo de bom no Avaí. Confiar em quem mais? Talvez no Hemerson Maria, que pode estar iluminado, e armar um esquema tipo ratoeira para a Chapecoense. Dá para ganhar lá dentro, mas basta querer, jogar com inteligência, aproveitar as chances e vencer com autoridade.

Reforço
O repórter Claiton Ramos passa a integrar a equipe de esportes da RICTV, que já conta com Marcelo Mancha e Alessandra Flores. Claiton também já acertou os últimos detalhes para a cobertura em Londres, participando de mais uma importante competição internacional. Fará boletins também para a rádio Record AM 1470, emissora do Grupo RIC.

Bola Cheia
Romário será um dos comentaristas da Record na Olimpíada de Londres e o Baixinho não custa barato, como muita gente pensa. Aliás, Romário consegue conciliar suas atividades esportivas com os compromissos como deputado federal em Brasília. O Baixinho é um mito e será uma das atrações em Londres.

Bola Murcha
Não gostei dessa antecipação da escala de arbitragem e a FCF confirma que esse “sorteio” nunca foi sério e gera desconfiança e polêmica. Engraçado é que nos dois jogos do Figueirense não foi escalado nenhum árbitro da Capital. No jogo do Avaí, Paulo Henrique Bezerra, que é Alvinegro, foi escalado.